Personalidades abandonam prêmio da Cufa após descobrirem que Carrefour é patrocinador

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A Centra Única das Favelas (Cufa) estava promovendo um prêmio para contemplar empreendedores negros. Até aí, tudo bem. O problema é que alguns jurados e nomeados não estavam sabendo do evento – e todos desconheciam o fato de que o patrocinador master era o Carrefour.

A indignação tomou conta das redes sociais nesta segunda-feira (11), quando diversas personalidades que tiveram seus nomes envolvidos no prêmio sequer tinham ciência do que era. Entre elas, estão Taís Araújo, Lázaro Ramos, Bruno Gagliasso e Nath Finanças, bem como instituições como AfroSaúde, Era Uma Vez no Mundo e Negritar – Filmes e Produções.

“Não sabia desse prêmio e muito menos que sou finalista. Pedi para a Cufa Brasil retirar o meu nome. Eu não compactuo com marcas como o Carrefour, que não se importa com as vidas pretas que são assasisnadas na própria instituição” – escreveu Nath Finanças, no Twitter.

“Oi, amores. Fui jurado, sim, mas não fui informado de que o Carrefour era o patrocinador do prêmio”, postou Lázaro.

“Cara, eu não fui jurado de nenhum prêmio, a não ser do ID_BR e continuo à disposição para cobrar as marcas (Carrefour e qualquer outra) às suas responsabilidades. Não tenho nada além disso para falar desse caso porque realmente não estou envolvido”, escreveu Gagliasso.

“A AfroSaúde vem a público esclarecer que não compactua com marcas e culturas organizacionais racistas, que ceifam vidas negras de forma brutal e com precedentes. Cientes da nossa responsabilidade como uma empresa antirracista, criada e feita para a comunidade negra, informamos à CUFA Brasil sobre a desistência do Prêmio Pretos Empreendedores, pelo qual fomos vencedores na etapa estadual da Bahia”, diz um trecho da nota da AfroSaúde.

Por meio de um comunicado oficial, a Cufa alega que o cancelamento de suas ações previstas – inclusive, o prêmio – são decorrentes da pandemia do novo coronavírus. Na nota, a Cufa alega que “decidiu suspender seus eventos previstos para os meses de janeiro e fevereiro, por conta do avanço da segunda onda da Covid-19” e informa ainda que “as aberturas das Taças das Favelas Rio e São Paulo estão adiadas por tempo indeterminado, bem como o Prêmio Pretos Empreendedores (prêmio que só foi viabilizado com parcerias, na última sexta-feira, dia 8/1, no Estado de São Paulo”.

Assassinato de João Alberto Silveira e comitê antirracista

No dia 19 de novembro de 2020, véspera do Dia da Consciência Negra, João Alberto Silveira, de 40 anos, foi espancado até a morte por seguranças de uma unidade do supermercado Carrefour em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Por se tratar da morte brutal de um homem negro, protestos antirracistas foram realizados em vários pontos do país nos dias seguintes.

Protesto em uma das unidades da rede (Foto: Arica Martins/Estadão)

Na tentativa de subverter a imagem de empresa racista, o Carrefour montou um comitê antirracista para planejar ações, contando com um fundo de R$ 25 milhões. O Prêmio Pretos Empreendedores, ao que tudo indica, era uma dessas iniciativas.

APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

  • jorge Menezes

    (12/01/2021 - 10:51)

    Temos um governo capitalista e escroto, vivemos uma recessão devido a pandemia, a Ford esta saindo do país deixando mais de 10 mil trabalhadores diretos e indiretamente desempregados. E pessoas falam em cassação de alvarás pra gerar mais desemprego.
    Pessoal se em 2021 nós negros não temos o discernimento de sentar, e em cima de uma tragedia buscar soluções
    Não se aprendeu nada em 200 anos

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.