No Rio, 70% dos homens presos injustamente são negros: “Prender preto e pobre é o padrão”

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A Justiça pode até ser cega, mas tem cor. De acordo com um relatório da Defensoria Pública do Rio de Janeiro, ao menos 58 pessoas foram presas, entre 1° de junho de 2019 e 10 de março de 2020, por crimes que não cometeram. Os equívocos são frutos de falhas no reconhecimento fotográfico nas delegacias. Em 70% dos casos, os identificados por engano eram homens negros.

Relembre alguns casos:

Weslley Rodrigues, preso injustamente no Complexo do Alemão

Danillo Félix, preso injustamente em Niterói

Danillo Félix foi preso injustamente em agosto deste ano (Foto: Reprodução)

Para o defensor público Emmanuel Queiroz, o reconhecimento fotográfico, que é utilizado há décadas, deve ser um indício do crime, e não a principal prova para a acusação.


“A partir dele, você pode começar a investigar. A vítima descreve o suspeito, mas deve ser feito reconhecimento de pessoa, e não de imagem, como prevê o processo penal. A polícia apresenta à vítima um álbum de fotografias, dizendo que ali constam as pessoas que normalmente roubam na região. A partir dessa sugestão, há uma pessoa que acabou de sofrer um roubo, que é algo traumático, a psicologia do testemunho já aponta que a manifestação dessa pessoa está viciada. No momento em que você já apresenta quem são os ladrões, acabou, a pessoa está influenciada, ela está focada a encontrar ali a pessoa que cometeu a violência contra ela. Não existe reconhecimento fotográfico na lei processual penal, não existe álbum de fotografia no código de processo penal, não tem regulamentação. Não sei nem se pode retirar a foto de lá”, explicou Queiroz, em entrevista ao jornal O Dia.

Ainda de acordo com o defensor, o alto índice de negros presos injustamente não é uma falha: é o sintoma de uma prática.


“Eu acredito na reprodução de uma sociedade classista, que tem ódio de classe, que é racista, preconceituosa e que se manifesta em tudo nesse país – e que se manifesta também no sistema de justiça criminal. É nisso que eu acredito. Não acredito numa falha. Prender preto e pobre é o padrão”, constatou.

APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

  • […] O Humanista reitera que qualquer tipo de abuso de poder policial deve ser investigado e devidamente punido. Não é de hoje que a população negra está à margem da violência de operações policiais no Rio. Temos casos como o do menino João Pedro, de 14 anos, que foi morto dentro de sua casa em maio de 2020 durante operação policial na cidade de São Gonçalo, na Baixada Fluminense. Temos também o caso da menina Agatha, de 8 anos, que foi morta por uma bala perdida em 2019 dentro de uma kombi no Complexo do Alemão – quando nos manifestamos radicalmente favoráveis à investigação e punição dos culpados. Além disso, temos inúmeros casos de pessoas negras que foram presas injustamente.  […]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.