“Não serei candidata”, diz Anielle Franco sobre eleições 2022 

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Irmã da vereadora do PSOL assassinada em 2018 no Rio, a educadora e jornalista Anielle Franco disse em entrevista à revista Veja ter recebido convites de partidos de esquerda para se candidatar a algum cargo político nas próximas eleições. Apesar disso, ela afirmou que não irá concorrer. 

Foto: Reprodução Redes Sociais

“Não serei candidata, não. Tive algumas propostas, sim, mas não serei. Estou à frente do instituto e nosso trabalho tem sido incrível e muito cuidadoso ao meu ver. Temos conseguindo incidir diretamente em assuntos importantes como a violência política e tantos outros. Não descarto a possibilidade, mas nesse momento, defender o legado e a memória da Mari nesse lugar tem sido gigante. O legado dela é diverso e cabe em vários lugares”, disse. 

Leia também: Anielle Franco critica protagonismo branco em produção global sobre sua irmã: “Não esperem mais nenhuma mulher negra ser assassinada para falarem sobre ela”

Anielle é diretora executiva do Instituto Marielle Franco, onde há diversas iniciativas para apoiar mulheres negras que já estão ou queiram entrar na política. O Instituto é uma organização sem fins lucrativos, criado pela família de Marielle. A proposta da iniciativa é inspirar, conectar e potencializar mulheres negras, LGBTQIA+ e periféricas a seguirem movendo as estruturas da sociedade por um mundo mais justo e igualitário. Nas últimas eleições, O Instituto Marielle Franco lançou a PANE –Plataforma Antirracista nas Eleições para visibilizar candidaturas de mulheres negras e pressionar os partidos para o compromisso com políticas públicas antirracistas. 

Marielle Franco era socióloga e política. Foi eleita vereadora na cidade do Rio de Janeiro em 2016 pelo PSOL, onde se destacou como a quinta candidata mais votada entre mulheres e homens. Defensora do Feminismo e dos Direitos Humanos, era também atuante na luta pela justiça, denunciando os abusos das autoridades policiais nas favelas. Próximo de completar 4 anos do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em 14 de Março, a investigação do caso trouxe à tona diversas informações sobre o submundo do crime no Rio de Janeiro, mas não solucionou por completo os mandantes da execução da vereadora.  

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.