CUFA lança terceira fase do programa Mães da Favela

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Na manhã desta terça-feira (5), a Central Única das Favelas (CUFA) lançou a terceira fase do programa Mães da Favela. Criado em 2020, o programa visa atenuar o sofrimento de mães solo das favelas e periferias brasileiras, na pandemia.

O Mães de Favela já mobilizou mais de R$ 870 milhões em pouco mais de um ano – Foto: divulgação

Em função do alto índice de desemprego e a aceleração da fome, ainda por sequelas do período de isolamento social, a instituição decidiu ampliar o programa que, nas outras fases, mobilizou mais de R$ 870 milhões e distribuiu mais de 50 mil toneladas de alimentos, nas 5 mil favelas do país, que a CUFA tem atuação.

Para celebrar o lançamento da nova fase, uma live com os presidentes nacionais da CUFA, Kalyne Lima e Preto Zezé, da presidente do Mulheres da CUFA, Patrícia Alencar, e convidados foi realizada no instagram da Cufa Brasil, às 10h, desta terça-feira.

Nesta nova fase, a CUFA pretende impulsionar o projeto CUFA Vale Gás, em parceria com a Petrobras, assim como, nas outras fases, a união com a Vale teve papel preponderante. A atual parceria já está em curso, e alguns moradores de favela já foram contemplados com botijões de gás.

Além da distribuição de cestas básicas e itens de higiene, a instituição pretende fornecer kits de utensílios do lar para as pessoas afetadas pelas fortes chuvas que já atingiram várias cidades do país, neste ano.

“A vacinação avançou, a economia está sendo retomada aos poucos, mas a pandemia deixou sequelas graves nas favelas. São 33 milhões brasileiros passando fome. Precisamos reverter esse quadro, e esperamos contar com as mais de 150 empresas que nos apoiaram nesta luta nos outros anos, e com a sociedade civil, que também foi muito importante”, disse o presidente nacional da CUFA, Preto Zezé.

Leia também: Fundador da CUFA lança fundo para acelerar negócios criados em comunidades

“Nenhum ato é mais solidário do que impedir que um irmão ou irmã passe fome. Precisamos quebrar de vez esse ciclo de violência chamado fome. Muitas dessas pessoas são mulheres que chefiam sozinhas seus lares. Por isso, além das empresas, contamos muito com as pessoas da sociedade civil que podem doar nesse momento. As doações delas também foram muito importantes nas outras fases”, explica a presidente nacional da CUFA, Kalyne Lima.

Além de doações físicas, nas outras ocasiões, o Mães da Favela forneceu bolsas digitais no valor de R$ 240 para as mulheres que chefiam os seus lares, e chips com internet ilimitada para seus filhos poderem acompanhar o ensino à distância.

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor do Notícia Preta.

4 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.