Menino negro de 8 anos é vítima de racismo em São Paulo 

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O menino negro Ravi, de 8 anos, foi vítima de racismo dentro do conjunto habitacional em que mora, na Praia Grande, Litoral de São Paulo, no domingo 13. De acordo com o boletim de ocorrência registrado pela mãe do garoto, Davi desceu para área comum do condomínio na intenção de fazer amizades com crianças da sua faixa etária. Nesse momento, dois adolescentes, um de 12 anos e outro de 10, falaram para Davi que ele não poderia estar ali por conta de sua “cor de pele preta”.

Criança negra de 8 anos é vítima de racismo em SP. Foto: Pexels- Ilustrativa

Ainda de acordo com o registro, o mais velho teria dito que chegaria “às vias de fato” caso o menino continuasse na área comum. Uma garota de dez anos também teria ofendido a criança de ‘macaco, negro, horroroso e nojento’. Em entrevista ao G1, Priscila Romão, mãe de Davi, falou que ele sempre foi muito comunicativo, porém ficou escondido em uma parte sem luz do edifício depois do ocorrido.

Leia também: Racismo: Sargento manda menino negro cortar cabelo para não parecer menina, dizem familiares 

“Ele não está bem, não quer comer, não quer brincar e chora o tempo todo. Ele sempre falou tudo certinho, mas ficou totalmente gago”, revelou. 

O caso foi registrado na sexta-feira, 18, na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), na capital paulista e encaminhada ao 3ºDP de Praia Grande, responsável pela área para dar continuidade nas investigações. Em nota, a Polícia Civil de São Paulo informou que apura ato infracional de injúria, discriminação e ameaça sofrida pela criança de 8 anos. 

Vale lembrar que racismo é crime previsto na Lei 7.716/89 e sempre deve ser denunciado. A legislação define como crime a discriminação pela raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, prevendo punição de 1 a 5 anos de prisão e multa aos infratores. A denúncia pode ser feita tanto pela internet, quanto em delegacias comuns e nas que prestam serviços direcionados a crimes raciais, como as Delegacias de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), que funcionam em São Paulo e no Rio de Janeiro. 

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.