EUA pressiona Quênia para que país africano importe lixo plástico norte-americano

APOIE O NOTÍCIA PRETA
Um lixão em Nakuru, Quênia. Foto: Khadija M. Farah /The New York Times

Enfrentando uma crise climática que ameaça a indústria de combustíveis fósseis, as empresas de petróleo norte-americanas estão correndo para fazer mais plástico. Mas elas enfrentam dois problemas: muitos mercados já estão inundados com plástico e poucos países estão dispostos a ser lixões para o lixo plástico do mundo. A indústria norte-americana acredita que encontrou uma solução para os dois problemas na África.

De acordo com documentos revisados ​​pelo jornal americano The New York Times, um grupo da indústria que representa os maiores fabricantes de produtos químicos e empresas de combustíveis fósseis do mundo está fazendo lobby para influenciar as negociações comerciais dos Estados Unidos com o Quênia, uma das maiores economias da África, para reverter seus estritos limites aos plásticos – incluindo uma proibição rígida de sacolas plásticas. Também está pressionando para que o Quênia continue importando lixo plástico estrangeiro, uma prática que o país africano prometeu limitar.

Depois que a China fechou seus portos para a maior parte do lixo plástico em 2018 , os exportadores têm procurado novos depósitos de lixo . As exportações para a África mais do que quadruplicaram em 2019 em relação ao ano anterior.

O continente africano é líder em proibições ao uso de plásticos, já são mais de 35 legislações sobre o tema. No Senegal, por exemplo, não são utilizados sachês de líquidos e os copos plásticos. No Quênia, a proibição do uso de sacolas plásticas e é vista como eficaz. Desde a aprovação da lei em 2017, as sacolas desapareceram.

O governo do Quênia também aprovou uma lei voltada a todos os plásticos de uso único, incluindo garrafas, em parques nacionais e áreas protegidas, que deve começar a valer em junho de 2020. Mas essas áreas correspondem a somente 11% do país.

No ano passado, o Quênia foi um dos países que assinou um acordo global para parar de importar resíduos de plástico – um pacto fortemente contestado pela indústria química.

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, busca um pacto comercial com os Estados Unidos. 
Ele se encontrou com o presidente Trump em fevereiro. Foto: Anna Moneymaker / The New York Times

Mesmo com todas estas normas e leis muito bem estabelecidas no Quênia, o país está em negociação com os Estados Unidos e o presidente queniano, Uhuru Kenyatta, já declarou estar ansioso para chegar a um acordo. 

Uhuru Kenyatta visitou a Casa Branca em fevereiro deste ano, para falar sobre as negociações comerciais. Atualmente, o Quênia pode enviar a maior parte de suas exportações para os Estados Unidos com isenção de impostos sob um programa regional, mas isso expira em 2025.

Mas o lobby por trás dos bastidores das empresas de petróleo espalhou a preocupação entre grupos ambientalistas no Quênia e em outros lugares, que vêm trabalhando para reduzir o uso e o desperdício de plástico.

As propostas de plásticos do conselho de química “inevitavelmente significariam mais plástico e produtos químicos no meio ambiente”, disse ao The New York Times, Griffins Ochieng, diretor executivo do Centro para Justiça e Desenvolvimento Ambiental, um grupo sem fins lucrativos com sede em Nairóbi que trabalha com o problema dos resíduos plásticos no Quênia. 

A proposta dos plásticos reflete uma indústria de petróleo contemplando seu declínio inevitável enquanto o mundo luta contra as mudanças climáticas. Os lucros estão despencando em meio à pandemia do coronavírus, e a indústria teme que a mudança climática force o mundo a deixar de queimar combustíveis fósseis. Os produtores estão lutando para encontrar novos usos para um excesso de oferta de petróleo e gás. As energias eólica e solar estão se tornando cada vez mais acessíveis, e os governos estão avaliando novas políticas para combater as mudanças climáticas, reduzindo a queima de combustíveis fósseis.

Voltada para os plásticos, a indústria norte-americana gastou mais de U$$ 200 bilhões em fábricas de produtos químicos e de manufatura nos Estados Unidos na última década. Mas os Estados Unidos já consomem 16 vezes mais plástico do que muitos países pobres e contribuem para piorar a situação exportando enormes quantidades de lixo plástico que o país não consegue reciclar. O material vai para nações com uma capacidade ainda menor de manejá-lo de forma adequada.

No ano passado, exportadores norte-americanos enviaram cerca de 680 mil toneladas de lixo plástico para 96 países. Gana, Uganda, Tanzânia, África do Sul, Etiópia, Senegal e Quênia são alguns dos países que receberam lixo plástico norte-americano – em grande medida, os materiais de menor valor, mais difíceis de reciclar e que muitas vezes acabam nos rios e oceanos destes países.

Leis rígidas do Quênia

James Wakibia ajudou a inspirar a proibição das sacolas plásticas no Quênia. 
Foto: Khadija M. Farah / The New York Times

O Conselho Americano de Química está lutando contra gente como James Wakibia, que ajudou a inspirar o Quênia a decretar uma das proibições de sacolas plásticas mais rígidas do mundo.

Como um estudante universitário caminhando para a aula, o Sr. Wakibia, agora com 37 anos, costumava passar por um aterro sanitário nocivo em Nakuru, a quarta maior área urbana do Quênia. O fedor e os detritos de plástico que se espalharam  pela rua, disse ele, o levaram a agir.

Ele começou a fazer campanha, principalmente nas redes sociais, pela proibição, e seu apelo logo ganhou força em um país inundado de plástico. As bolsas estavam por toda parte – no ar, agarrando-se às árvores, obstruindo cursos de água e causando inundações .

Com forte apoio público, a proibição das sacolas plásticas entrou em vigor em 2017 e tem dentes: quem for pego infringindo a lei pode ser condenado à prisão. Este ano, o governo baniu outros tipos de plástico de uso único, incluindo garrafas e canudos, em parques nacionais e outras áreas protegidas.

“Fizemos algo”, disse Wakibia sobre a proibição das bolsas. “Mas não devemos parar porque há muita poluição acontecendo.”

O Quênia não é o único país a tomar medidas para restringir os plásticos. Um relatório recente das Nações Unidas contou 127 países com políticas para regular ou limitar o uso.

Em resposta, a indústria tentou resolver o problema dos plásticos. A Alliance to End Plastic Waste – formada por gigantes do petróleo como Exxon Mobil e Chevron, bem como empresas químicas como a Dow – prometeu no ano passado US$ 1,5 bilhão para combater a poluição do plástico. Esse número, apontam os críticos, é uma pequena fração do que a indústria investiu em infraestrutura de plástico.

Os fabricantes “dizem que vão cuidar do lixo plástico, mas dizemos que o próprio plástico é o problema”, disse Ochieng. “Um crescimento exponencial na produção de plásticos não é algo com que possamos lidar”.

O rio Nairóbi, que atravessa a capital, está entupido de lixo plástico Foto: Khadija M. Farah / The New York Times

Fonte: The New York Times

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.