Libertadores já registra 7 casos de racismo contra brasileiros

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Um levantamento realizado pelo Estadão revela que, somente nesta edição da Taça Libertadores da América, já foram registrados sete casos de injúria racial contra brasileiros. Nos últimos seis anos, ao todo, 27 registros foram realizados, sendo que, 11 deles foram cometidos por argentinos.

Organizada pela Confederação Sul-americana de Futebol (Conmebol), a Libertadores é o maior torneio entre clubes do continente e, até o momento, de acordo com o levantamento, não houve punição severa para clubes ou torcedores. No último caso, envolvendo um torcedor do Boca Juniors, no jogo contra o Corinthians, o acusado apenas pagou fiança e foi liberado pela polícia Brasileira.

O diretor do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, Marcelo Carvalho, critica a posição das entidades controladoras do futebol na América do Sul, principalmente e Conmebol pela falta de punição aos envolvidos nos casos de racismo. “O número de casos de racismo é um e o de punidos é outro (bem menor). A maioria tem imagens como prova, mas infelizmente não tem acontecido tantas punições. Há só uma pequena movimentação (da entidade) para mostrar que está reagindo”, afirma em entrevista ao Estadão.

Carvalho lembra também que os clubes não se uniram para lutar contra o racismo no futebol. “Falta também união dos clubes que poderiam fazer um documento conjunto para a Conmebol avisando que não vão mais tolerar isso, mas não vimos nada assim. Só vemos uma nota oficial separada de um clube que vai levar esse caso específico. Falta ação além de nota de repúdio. Quando não há punição, também não vemos os clubes se posicionarem”, lamenta.

Em nota, mesmo com a falta de punição dos acusados, a assessoria da Conmebol disse que sempre teve uma postura antirracista diante dos casos. “Certamente de acordo com os relatórios que chegam dos delegados da partida e as imagens que estão disponíveis, as medidas ou decisões correspondentes serão tomadas, mas tudo tem um processo. Caso um seja aberto e uma resolução seja emitida, isso se torna público, mas tem um processo, não é imediato”, informou a entidade.

APOIO-SITE-PICPAY

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor e coordenador regional do Notícia Preta

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.