Juíza não vê ilegalidade no caso do jovem negro algemado a moto da PM

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A juíza Julia Martinez Alonso de Almeida Alvim, do Departamento de Inquéritos Policiais do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), da comarca de Barra Funda, disse não ver ilegalidade na ação do policial que algemou um jovem negro em uma moto da PM.

O jovem negro foi algemado `uma moto da PM de SP – Foto: Reprodução

De acordo com a juíza, uma mulher branca, “o auto de prisão em flagrante encontra-se formalmente em ordem, não havendo nulidades ou irregularidades (…). Embora haja alegação de violência praticada por um dos policiais militares no momento da prisão, tal circunstância não é capaz de macular a prisão pela prática do crime de tráfico de drogas (…). A ocorrência de violência policial deverá ser apurada na esfera adequada”, escreveu a juíza em sua sentença.

Leia também: Tortura: policial militar algema homem em moto e vídeo viraliza nas redes sociais

Já o advogado que defende o jovem, Fabio Costa, afirmou ao site UOL que vai recorrer da sentença da magistrada. “O rapaz sofreu humilhação e violência por parte dos policiais militares. Isso configura uma ilegalidade”, diz. Já o presidente do Grupo Tortura Nunca Mais, o advogado Ariel de Castro Alves, também criticou a decisão da juíza. “A prática de tortura e de abuso de autoridade por parte do PM que efetuou a detenção do rapaz deveria gerar a anulação da prisão. Foi uma decisão lamentável”, comenta.

O policial que aparece “arrastando” o jovem negro foi afastado das ruas e poderá responder pelo crime de tortura. Além disso, os dois agentes que participaram da ação ocultaram a maneira como o suspeito foi conduzido no boletim de ocorrência, mesmo havendo vídeos do momento da ação.

APOIO-SITE-PICPAY

3 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.