Fome na África aumenta devido a conflitos, clima e preços de alimentos

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Via Reuters

O conflito, as mudanças climáticas e o aumento dos preços dos alimentos e combustíveis estão empurrando cerca de um quarto dos africanos para a fome, disse o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) nesta terça-feira.

Uma mulher carrega um bebê enquanto faz fila na fila para comer, na escola primária Tsehaye, que foi transformada em um abrigo temporário para pessoas deslocadas por conflitos, na cidade de Shire, região de Tigray, Etiópia, 15 de março de 2021. REUTERS/Baz Ratner/Foto de arquivo

Cerca de 346 milhões de pessoas na África estão enfrentando grave insegurança alimentar, o que significa que provavelmente experimentaram fome, na pior crise desde 2017. No ano passado, o número foi de cerca de 286 milhões.

Leia também: Taxa de desemprego na África do Sul bate novo recorde no quarto trimestre de 2021

“A aguda situação de insegurança alimentar em muitos dos países onde estamos trabalhando – e as pessoas já são afetadas por conflitos armados – está caindo em condições semelhantes à fome”, disse Dominik Stillhart, diretor global de operações do CICV.

Dois anos de conflito na região de Tigray, no norte da Etiópia, deixaram milhões enfrentando condições semelhantes à fome e criaram uma crise de fome nas regiões vizinhas.

Insurgências em Burkina Faso, Mali, Níger e Nigéria também aprofundaram a insegurança alimentar na África Ocidental, que agora enfrenta sua pior crise alimentar já registrada.

Muitos dos países que lidam com conflitos também estão entre os mais afetados pelas mudanças climáticas, incluindo o Sudão do Sul e a Somália, disse Stillhart.

Cerca de 90% da Somália é atualmente afetada pela seca, disse Stillhart. Se as chuvas deste ano não se materializarem, 1,4 milhão de crianças menores de cinco anos ficarão agudamente desnutridas, disse o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas.

Só em fevereiro, a seca matou 650.000 animais, devastando as dezenas de somalis para os quais os animais representavam renda, redes de segurança e poupança.

Enquanto isso, os preços globais de alimentos e combustíveis estão subindo, em parte por causa da guerra na Ucrânia, disse Stillhart.

Os preços do trigo, dos quais a Rússia e a Ucrânia são ambos os principais produtores, recuaram das máximas de todos os tempos atingidas no mês passado, mas permanecem 70% mais altos do que abril de 2021. Os preços do milho e do petróleo também subiram.

“Nosso apelo hoje é realmente que a atenção sobre a situação do povo da Ucrânia – que é naturalmente terrível – não deve impedir o mundo de olhar para outras crises”, disse Stillhart.

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.