Facebook é acusado de racismo após excluir fotos históricas de povos originários de Papua-Nova Guiné

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O Facebook apagou fotos históricas de um grupo que publica imagens de arquivo de povos originários de Papua-Nova Guiné. DE acordo com os responsáveis peleo grupo, que conta com mais de 55 mil membros, a rede social excluiu imagens mostrando roupas ou cerimônias tradicionais, alegando que os conteúdos continham nudez. Porém, os mesmos registros publicados, só que com pessoas brancas, não foram deletados.

Os administradores acusam o Facebook de racismo e pedem que a rede social reconsidere seus padrões de comunidade. O objetivo é que os usuários postem fotos históricas e seus respectivos contextos, a fim de valorizar a história do país.

Os usuários vem se queixando de censura por parte da rede social, acusando o Facebook de deletar algumas das fotos postadas, além de proibir alguns usuários de postar. Arthur Smedley, um dos administradores, classificou a política da rede de Mark Zuckerberg como “ridícula”, após um de seus amigos, Peter Tate, ter sido banido por publicar uma imagem de um grupo de homens com o peito nu e sem cobertura na parte superior de seus corpos.

Leia também: Candidata negra é eliminada de processo seletivo do Facebook por não possuir “fit cultural”

“Para mim, isso significaria para nós que seríamos proibidos de postar imagens de homens indo à praia durante o verão”, comentou Arthur, em entrevista ao jornal britânico The Guardian. “Alguns usuários disseram que consideraram essas proibições discriminatórias e racistas, que se posicionam contra as atividades culturais tradicionais”, acrescentou.

“Dá para ver como racismo uma empresa americana estar discriminando esse grupo de pessoas, dizendo que essas fotos estão proibidas de nosso grupo”, disse Smedley.

Fonte: Isto é

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.