Conheça George Bridgetower, o violinista negro que inspirou Beethoven, mas teve sua história apagada

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Seis meses após o compositor alemão Beethoven ter pensado em suicídio, confessando seu desespero com sua crescente surdez no documento de 1802 conhecido como Testamento de Heiligenstadt, o músico começou a farrear em tavernas com um novo camarada carismático, George Polgreen Bridgetower. Este violinista negro, nascido na Polônia filho de uma alemã com um pai de Barbados (uma ilha do Caribe), tinha acabado de chegar em Viena e inspirou uma das peças mais famosas e apaixonadas de Beethoven, a Sonata “Kreutzer”.

Beethoven ficou impressionado e dedicou sua grande Sonata para violino nº 9 em Lá maior (Op.47) a Bridgetower, com a dedicação de bom coração, Sonata per un mulattico lunatico. Mal terminada, a peça recebeu sua primeira apresentação pública em um concerto no Augarten em 24 de maio de 1803, com Beethoven no pianoforte e Bridgetower no violino.

A dupla se desentendeu logo depois. Beethoven rompeu relações com Bridgetower e mudou a dedicação da nova sonata oferecendo-a ao violinista Rudolphe Kreutzer, que nunca a tocou, dizendo que já havia sido tocada uma vez e era muito difícil — a peça agora é conhecida como Kreutzer Sonata.

Esse desentendimento entre o compositor alemão e o músico afro-europeu levou Bridgetower a um processo de apagamento. Embora seu nome tenha sido incluído na biografia de Beethoven de Anton Schindler, em 1840, o violonista foi descrito incorretamente como “um capitão do mar americano”. Como tantos artistas negros talentosos, ele foi amplamente esquecido por uma história que pertence àqueles que controlam a narrativa, os brancos.

A história dos Bridgetowns

O pai de Bridgetower – que assumiu o nome de Frederick, e às vezes era conhecido por outros – foi a força motriz por trás da carreira de seu filho. Bonito, charmoso e fluente em vários idiomas, Frederick era um contador de histórias nato. Frederick (pai de Bridgetower) contava ser filho de um príncipe africano adotado não oficialmente por um capitão do mar holandês, que foi prometido com diamantes e ouro em pó e depois vendido como escravo, sobrevivendo a um naufrágio. O pai casou-se com uma africana e acabou em Barbados, onde Frederick nasceu. O nome Bridgetower provavelmente foi derivado da capital da ilha, Bridgetown.

Não se sabe ao certo como Frederick acabou na Polônia, mas o historiador William Hart escreveu em um artigo de 2017 no The Musical Times que os padrinhos do jovem Bridgetowers eram membros da nobre família Radziwill. Frederick, e possivelmente sua esposa, podem ter estado a serviço deles. O casal e seu filho logo se mudaram para a Áustria, onde Frederick, conhecido como “o mouro”, trabalhava como pajem do príncipe Nikolaus Esterhazy. O príncipe amante da música mantinha sua própria orquestra em seu palácio em Eisenstadt, onde Haydn era o compositor da corte. (George Bridgetower foi posteriormente apontado como aluno de Haydn, mas não se sabe ao certo se ele já estudou com o mestre).

A estreia pública de Bridgetower foi considerada por muito tempo como tendo ocorrido em Paris em 1789. Mas o Sr. Hart descobriu um anúncio em um jornal de Frankfurt promovendo um show de “Hieronymus August Bridgetown”, o “filho de um mouro”, em abril de 1786, quando o menino teria apenas sete anos. Ele observou que ele já havia tocado para o Imperador Joseph II.

Os Bridgetowns, como eram então conhecidos, viveram algum tempo em Mainz, um importante centro musical, onde Maria deu à luz outro filho, que mais tarde se tornaria violoncelista. Frederick, deixando sua esposa e filho mais novo para trás, levou em excursão seu filho mais velho, que, anunciado como um “jovem negro das colônias”, executou um concerto para violino de Giornovichi na proeminente série Concert Spirituel, em Paris, em 1789.

“Seu talento, tão genuíno quanto precoce, é uma das melhores respostas que se pode dar aos filósofos que desejam privar os de sua nação e de sua cor a faculdade de se distinguir nas artes”, disse uma crítica no Le Mercure de France.

Depois de vários outros shows em Paris, incluindo um com a presença de Thomas Jefferson, que foi o terceiro presidente dos Estados Unidos e o principal autor da declaração de independência do país, os Bridgetowers – como se chamavam então – partiram para a Inglaterra, onde a família causou sensação.

Com roupas de inspiração oriental em voga, Frederick enfatizou seu suposto exotismo vestindo mantos turcos esvoaçantes. Todos queriam conhecer esse “príncipe africano” e seu prodígio – cujo nome agora se tornara George. No outono de 1789, Frederico havia providenciado para que seu filho tocasse para o rei George III e a rainha Carlota, bem como para o príncipe de Gales, mais tarde George IV.

George induziu “espanto geral” tocando em Bath. Aos 11, ele fez sua estréia em Londres com um concerto de Giornovichi entre as duas primeiras partes de “Messias” de Handel Ele e o pai costumavam ir a Carlton House, a residência urbana do Príncipe de Gales, que organizava concertos de câmara regulares. Em 2 de junho de 1790, o príncipe patrocinou um concerto beneficente para Bridgetower e outro jovem artista no Hanover Square Rooms, o principal local de concertos da sociedade moderna.

Até então, Frederick havia administrado habilmente a carreira do filho. Mas seu comportamento se tornou cada vez mais autodestrutivo. Em um baile de máscaras com a presença do príncipe, Frederico se vestiu como uma caricatura de um escravo negro, defendendo a abolição; esta era certamente uma causa digna, mas a façanha serviu para alienar as elites cujo favor ele se esforçara para cultivar. Durante uma apresentação de “Messias”, ele gritou por uma repetição do coro “Aleluia” e, após uma luta, foi expulso do teatro. Houve relatos de consumo excessivo de álcool e ele ser mulherengo.

Fonte: The New York Times

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.