Caso Moïse: Ministério Público denuncia trio por morte de congolês 

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou três pessoas nesta segunda-feira, 21, pela morte do congolês Moïse Kabagambe em um quiosque na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro. No caso, foi pedida a prisão preventiva de Fábio Pirineus da Silva, Aleson Cristiano de Oliveira Fonseca e Brendon Alexander Luz da Silva. Segundo o Ministério Público, no dia 24 de Janeiro, por volta das 21h30 “Moïse foi agredido com crueldade, como se fosse um animal peçonhento. Os denunciados, “com vontade livre e consciente de matar, em comunhão de desígnios e ações entre si, agrediram a integridade corporal do congolês”, ressalta o MP. 

Foto: Reprodução Redes Sociais

A denúncia diz que Brendon, conhecido também como Tota, derrubou o congolês e o imobilizou, e, com a vítima imobilizada, Fábio, vulgo Belo, passou a agredir “covardemente” o congolês com um pedaço de madeira. Em seguida, Aleson, o Dezenove, “mesmo com a vítima indefesa”, continua as agressões. Mesmo sem reagir, prossegue o MP, Moïse foi amarrado por Brendon e Fábio, sendo deixado caído e sem defesa. 

Leia também: Caso Moïse: Intimidações de policiais à família do congolês serão investigadas, diz Polícia

Entre as informações da denúncia, estão as seguintes considerações: A vítima foi agredida com golpes desferidos com um taco de beisebol, socos, chutes e tapas e o crime foi praticado por motivo fútil, decorrente de uma mera discussão. Além disso, o crime foi praticado com recurso que impossibilitou a defesa da vítima, e que foi derrubada e imobilizada, não tendo como reagir às agressões e com recurso que impossibilitou a defesa da vítima, eis que foi derrubada e imobilizada, não tendo como reagir às agressões. 

Moïse foi brutalmente assassinato após ter ido cobrar R$200,00 do empregador referente a dois dias de trabalho. O crime ocorreu no Quiosque Tropicália e o caso se tornou conhecido seis dias após o assassinato do congolês devido pressão de familiares e da sociedade civil. 

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.