Bailarina que denunciou racismo renova contrato com companhia de Berlim

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Após acordo entre as duas partes no tribunal de Berlim, Chloé Lopes Gomes vai receber 16 mil Euros, o que equivale a mais de R$ 104 mil, como indenização pelo racismo sofrido dentro companhia de Berlim Staatsballett. Além disso, terá o seu contrato renovado por mais uma temporada 2021/2022. A bailarina francesa havia denunciado ser vítima de racismo na companhia que atua, no final de 2020. O anúncio da renovação do contrato foi feito na última quinta-feira (29).

Chloé Lopes Gomes é a única bailarina negra na Companhia – Foto: Antonia Anna Pepita

Lopes, única bailarina negra do Staatsballett, entrou com uma ação na justiça depois que o seu contrato anual não foi renovado. “Eles disseram que, por causa da Covid-19, tinham de deixar algumas bailarinas saírem e disseram que eu estaria melhor numa companhia menor”, disse à revista portuguesa NIT.

A bailarina francesa denunciou que era obrigada a utilizar maquiagem branca e que, por dois anos, ouviu dos professores que qualquer erro que ela cometesse seria mais perceptível, por ela ser negra. A bailaria disse ainda que esse acordo e a renovação do contrato significa uma pequena vitória, porém um grande passo para o mundo do balé. “Após 8 meses de luta, finalmente encontramos um acordo, mesmo que seja triste ter passado por tudo isso. Percebi que, mesmo temendo as consequências, falar abertamente era a melhor coisa a fazer. Eu encorajo a todos a quebrar o silêncio. E mais uma vez obrigado por todo o seu apoio sem você eu não teria conseguido” Publicou Chloé em sua rede social.

Diretora do Staatsballett, Christiane Theobald, reconheceu o racismo sofrido pela bailarina e disse que o caso foi uma grande oportunidade para mudar a situação atual. Em comunicado, a companhia de Berlim Staatsballett disse ter iniciado mudanças estruturais com foco na diversidade. E que os funcionários podem entrar em contato de forma anônima com uma ouvidoria externa criada para que eles relatem as discriminações sofridas dentro da companhia.

APOIO-SITE-PICPAY

Fernanda De Souza

Graduada em jornalismo pela Centro Universitário Uni-BH, com 7 anos de experiência com Monitoramento de Notícia (Clipping Eletrônico). Atuação na elaboração de análises quantitativas e qualitativas que atende as necessidades da assessoria de comunicação.Vivência com produção e reportagem para revista, na área cultural.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.