Após protestos contra o racismo, filme ”E o Vento Levou” é retirado de canal por assinatura

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O filme ”E o Vento Levou” foi retirado de canal por assinatura HBO Max. Representação de escravos no longa-metragem de 1939 foi alvo de críticas e após onda de protestos contra o racismo ao redor do mundo, desencadeada após a morte de George Floyd, canais de televisão também decidiram revisar os conteúdos que oferecem aos telespectadores. 

O filme “E o Vento Levou” foi retirado do canal por assinatura HBO Max. Foto: Divulgação

O drama, que fala sobre a Guerra Civil americana, venceu oito estatuetas do Oscar, incluindo melhor filme, até hoje é uma das maiores bilheterias de todos os tempos. 

”E o Vento Levou’ é um produto de seu tempo e contém alguns dos preconceitos étnicos e raciais que, infelizmente, têm sido comuns na sociedade americana. Estas representações racistas estavam erradas na época e estão erradas hoje, e sentimos que manter este título disponível sem uma explicação e uma denúncia dessas representações seria irresponsável”,  declarou um porta-voz da HBO Max em um comunicado enviado à AFP.

Consequência dos protestos
Na terça-feira (9), após pressão popular, mais uma estátua de senhor de escravo foi removida em Londres. Dessa vez foi a escultura do séxulo XVIII que homenageada o senhor de escravos Robert Milligan. No último domingo (7), a estátua de Edward Colston, antigo traficante de africanos escravizados, foi arrancada e atirado no rio por manifestantes ingleses que participavam de protestos antirracistas.  

Na tarde desta quarta-feira, o Notícia Preta publicou um artigo falando que ”as estátuas também morrem”.

APOIO-SITE-PICPAY

Thiago Augustto

Um filho negro adotado. Thiago Augustto faz questão de marcar sua existência pela raça e pela oportunidade de viver. Transformou o tabu da adoção num grande motivo de orgulho. É criador de conteúdo e palestrante. Se formou em jornalismo em 2014, desde então, trabalha na TV Globo Recife, atuando como produtor e repórter. No Notícia Preta, é editor e coordena os colaboradores das regiões norte e nordeste. Em 2021, criou o Futuro Black - um banco de talentos e de fontes profissionais pretas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.