Após demissão em massa, Globo escala roteirista negra para série sobre Marielle

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Mariana Jasper afirmou que aceitou o trabalho após garantia de liberdade total.

Série sobre Marielle e seu motorista, Anderson Gomes, passou por reformulação (Foto: Reprodução / Internet)

Passados cinco dias desde o anúncio de demissão de todos os roteiristas negros da série que a Globoplay está produzindo sobre a ex-vereadora Marielle Franco, assassinada em 2018, a Globo escalou duas profissionais para comandar a direção criativa do projeto: Mariana Jasper, negra, e Maria Camargo, branca. A direção é de José Padilha.

Leia mais: José Padilha cita Malcolm X para se defender de críticas

A série vem sendo alvo de críticas desde o início do trabalho, uma vez que todos os cargos de diretoria são ocupados por pessoas brancas que têm a missão de construir a narrativa de uma mulher preta e favelada. No último sábado (24), quatro roteiristas negros se demitiram por “divergências na condução da narrativa sobre a vida da vereadora”.

Mariana Jasper emitiu uma carta aberta. Confira:

Sobre minha autoria na série sobre Marielle Franco ao lado de Maria Camargo. Fiz parte da sala anterior e meu retorno se deu unicamente por ser junto com Maria – minha mentora, pessoa por quem tenho imenso respeito, amor e, principalmente, por termos uma relação de muita confiança mútua.

Mas, para além do afeto, é preciso ser pragmática: aceitei o desafio porque nos foi garantida total liberdade de criação e condições reais de autoralidade. Chego para ocupar de fato um lugar de liderança criativa – tão fundamental em um projeto como esse.

Conversamos também com a Antifa [produtora da série] e o Globoplay e combinamos um processo de troca com muito debate e respeito no relacionamento. Acredito que mais importante que poder dizer sim, é poder dizer não e diremos tantos quanto forem necessários para contar a história de Marielle e Anderson – não escreveremos sobre o que não acreditamos. Meu posicionamento em todas as instâncias é de que não estou aqui para cumprir um papel figurativo – Token só o da senha do banco.

O que eu e Maria nos dispomos a fazer é colocar a mão na massa, confrontar a folha em branco – que é nosso ofício – e trabalhar duro para escrever uma história que não seja apenas poderosa, mas também esteja a serviço do legado de Marielle.

Sua morte é uma ferida ainda aberta e, uma vez que a série irá acontecer, é preciso que o recorte sobre sua vida faça jus a quem ela foi e seguirá sendo. Sei que não será um trabalho simples, mas qual processo criativo é? Desejo muito e coloco toda minha força, intuição, técnica e disposição para que Dona Marinete, Seu Antônio, Luyara, Anielle, Monica e Agatha se sintam respeitadas. E, por se tratar de uma obra de ficção, que uma senhorinha lá no interior da Bahia assista e diga: “Eita, que série massa!”.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.