Após chamar homem de “macaco”, turista é preso em flagrante por injúria racial na Bahia 

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Após chamar um homem de “macaco”, um turista paulista foi preso em flagrante por injúria racial, desacato e resistência no restaurante Varanda Mucugê em Arraial d’Ajuda, distrito de Porto Seguro, no sul da Bahia. O caso ocorreu na noite de quinta-feira, 2. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra inúmeras pessoas acusam o turista de racismo no momento da prisão durante a abordagem de policiais militares.  

Turista preso por injúria racial na Bahia. Foto: Reprodução Redes Sociais

Enquanto clientes do restaurante gritavam “racista” e frases como “sai da nossa terra” e “bolsominion safado”, o turista resistia à ordem de prisão. Em outro momento, um dos policiais aplicou um mata leão no turista para imobilizá-lo e algemá-lo, sob os aplausos dos presentes e gritos de “respeito!”. A Polícia Civil informou que o autor do ataque é um homem de 50 anos, que também desrespeitou verbalmente os policiais militares que o conduziram à delegacia. A polícia não informou se a vítima registrou boletim de ocorrência contra o acusado. O nome do turista não foi divulgado. 

Leia também: Cientista Nina da Hora denuncia racismo em livraria do RJ 

O homem, que também teria agredido um deficiente na ocasião, acabou liberado após pagamento de fiança de R$5 mil. Segundo a Polícia Civil, ele ainda teria “dirigido impropérios à guarnição da Polícia Militar”. Em nota divulgada nas redes sociais, o restaurante Varanda Mucugê informou que “não tem qualquer relação com o ocorrido” e que repudia “qualquer tipo de preconceito e discriminação”. 

Vale destacar que racismo é crime previsto na Lei 7.716/89 e sempre deve ser denunciado. A legislação define como crime a discriminação pela raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, prevendo punição de 1 a 5 anos de prisão e multa aos infratores. A denúncia pode ser feita tanto pela internet, quanto em delegacias comuns e nas que prestam serviços direcionados a crimes raciais, como as Delegacias de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), que funcionam em São Paulo e no Rio de Janeiro. 

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.