Apenas 25% das crianças atendidas pelo SUS fazem 3 refeições por dia, segundo estudo

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Um levantamento realizado pelo Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) do Ministério da Saúde e obtido pela GloboNews, via Lei de Acesso à Informação revelou que, apenas 1 em cada 4 crianças atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), realiza três refeições por dia. De acordo com o estudo, entre janeiro e outubro de 2021, 25% das crianças atendidas pelo SUS, com idades entre 2 e 9 anos, realizavam pelo menos as três principais refeições diárias. 

Um em cada 4 crianças atendidas pelo SUS fazem 3 refeições por dia – Foto: Reprodução

Segundo Naércio Menezes Filho, membro do Comitê Científico do Núcleo Ciência pela Infância (NCPI), as crianças mais afetadas são as de famílias mais pobres. “Geralmente, tendem a ser negras ou pardas e a morar nas regiões Norte e Nordeste”, explica, em entrevista à Globonews.

Ainda de acordo com o levantamento, o índice começou a mudar em 2015, quando 76% das crianças atendidas pela Atenção Básica realizavam pelo menos três refeições por dia. No ano seguinte, 2016, o número caiu para 42%. Em 2019, já eram apenas 28% das crianças que conseguiam fazer as três refeições diariamente. 

Leia também: Brasil tem quase 50 milhões de pessoas em insegurança alimentar moderada ou grave

Menezes Filho ressalta ainda que a falta de políticas públicas, principalmente no final da década de 1980, gerou uma preocupação com a alimentação das crianças. Porém, a partir de 2010, esse cenário mudou consideravelmente, com a inclusão de políticas públicas. “O índice de crianças que consomem ao menos três refeições no dia vem caindo porque tivemos uma recessão muito grande a partir de 2015. Ela segue hoje em dia e foi agravada pela pandemia. Ou seja, a pandemia se sobrepôs a uma situação econômica que já vinha acontecendo”, afirma o economista.

Fome e desenvolvimento

A presidente do departamento de nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Virgínia Weffort, ressalta, em entrevista à Globonews, que essa falta de alimentação afeta diretamente o desenvolvimento das crianças. “Até os 5 anos existe a programação metabólica, que é programar o seu organismo para evitar doenças. E, dos 5 aos 9 anos de idade, continua sendo importante para o crescimento da criança”, explica.

Além disso, o levantamento do SISVAN também mostrou que 85% das crianças atendidas pelo SUS ingerem alimentos ultraprocessados, 77% consomem frutas e 66%, verduras. 

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.