Tocantins tem primeiro polo universitário voltado para idosos indígenas do país

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A Universidade Federal do Tocantins (UFT) conta com o primeiro polo voltado para a educação de idosos indígenas do Brasil. O projeto, que é parte da Universidade da Maturidade (UMA), está sendo realizado em Tocantínia, região que concentra aldeias da etnia Xerente. Todo o conteúdo foi traduzido para a língua dos indígenas, para que todos pudessem participar.

A novidade desse projeto da UMA, que existe há alguns anos e leva educação e atividades extracurriculares para pessoas idosas em todo o estado, é que pela primeira vez ele é realizado em uma aldeia. No local, muitos dos mais velhos não sabem ler ou escrever, e viram nesse encontro uma oportunidade.

Tocantíns
Universidade Federal do Tocantins conta com o primeiro polo voltado para a educação de idosos indígenas do Brasil.

Leia também: COP26: “Povos indígenas estão na linha de frente da emergência climática”, diz Txai Suruí, ativista indígena

“Esses saberes ao longo do tempo eles vão se perdendo, e a universidade da maturidade com toda a metodologia cientifica, ela vai ajudar, ela vai contribuir para que esses saberes sejam sistematizados e que eles possam não se perder ao longo do tempo”, explica o secretário municipal de educação, André Ribeiro de Golveia, em entrevista a TV Anhanguera.

Além de apreender, os mais velhos também “A UMA ela vem mostrar que os nossos anciãos eles têm muitas respostas, e nós jovens temos muitas perguntas. então a UMA vem mostrar que velho é ter conhecimento, ser velho é ter história, é ter o que falar”, afirma o professor Leonardo Sampaio Santana.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.