Vitória feminista: Colômbia descriminaliza aborto até 24ª semana de gravidez 

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A descriminalização do aborto até a 24ª semana de gestação foi aprovada pelo Tribunal Constitucional da Colômbia, nesta segunda-feira, 21. Com isso, nenhuma pessoa que engravida poderá ser julgada no país por um aborto realizado dentro desse período. Até agora, o aborto só era permitido em caso de estupro, se a saúde da mãe estivesse em risco ou quando o feto apresentasse uma malformação que comprometesse a sua sobrevivência 54 meses de prisão. A partir de agora com a decisão, a “conduta do aborto só será punível quando for realizada depois da 24ª semana de gestação”. As informações são do jornal O Globo

Colombianas comemoram a descriminalização do aborto no país (Crédito: Raul Arboleda/AFP)

Por cinco votos a quatro, o aborto foi retirado da lista de delitos do Código Penal colombiano —quando realizado nesse prazo. A decisão atende a uma luta histórica das feministas do país, onde cerca de 400 mulheres são condenadas anualmente a penas de 16 a 54 meses de prisão por interromperem a própria gravidez. A decisão foi divulgada pelo Tribunal em um comunicado que pediu que o Congresso e o Executivo garantam que a decisão seja cumprida no menor prazo possível. 

Leia também: Argentina legaliza aborto, um assunto ainda tabu no Brasil

“A Colômbia fica na vanguarda dos direitos reprodutivos, tanto em nível regional quanto globalmente”, afirmou à AFP a advogada Catalina Martínez, do movimento Causa Justa, que levantou a inconstitucionalidade do crime de aborto e cujos argumentos foram estudados pelo alto tribunal. 

No processo, as ativistas argumentaram que as restrições ao aborto discriminavam mulheres de baixa renda, que tinham mais dificuldades de obter autorização para o aborto legal por ter menos acesso a médicos e advogados para solicitar a medida. Na América Latina, além da Colômbia, México, Argentina, Guiana Cuba e Uruguai também legalizaram a interrupção da gravidez. Na Guiana Francesa e em Porto Rico, que seguem as leis da França e dos EUA, respectivamente, o aborto também é legalizado. 

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.