Vereadora que homenageou ‘rinoceronta’ durante 1 minuto de silêncio por Makota Valdina diz que foi alvo de racismo ao ser chamada de ‘escrota branca’

Durante a sessão da Câmara Municipal de Salvador na última segunda-feira (25), a vereadora baiana Marcelle Moraes (sem partido) diz ter sido vítima de racismo e agressões verbais e psicológicas por parte de um grupo de religião de matriz africana. Durante a sessão, representantes de religiões de matriz africana protestaram contra a vereadora e a acusaram de racismo. O grupo chegou a se virar de costas para o plenário enquanto a vereadora falava ao microfone.

A parlamentar afirma que os comentários considerados por ela como ‘racistas’ começaram do lado de fora da Casa.Segundo Marcelle, um grupo de religiosos teria se referido a ela como “escrota branca”.

Vereadora Marcelle Moraes

Os insultos acontecem uma semana após a Vereadora lamentar morte de ‘rinoceronta’ ( o feminino correto é rinoceronte-fêmea) após minuto de silêncio por Makota Valdina, educadora, líder comunitária e religiosa brasileira, militante da liberdade religiosa e como porta-voz das religiões de matriz africana, que faleceu no último dia 19.

Sem entender que racismo reverso não existe, a vereadora declarou: “Estou sofrendo agressão verbal e psicológica por defender os animais. Hoje eu fui vítima de racismo por parte de um grupo religioso que se diz contra a intolerância. Isso é muito grave. Fui chamada de racista e “escrota branca”, sendo que eu tenho um relacionamento de três anos com um homem negro. O meu noivo é negro. Isso não tem fundamento”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: