RJ tem a primeira reitora negra de uma instituição de ensino superior

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A professora Luanda Moraes, de 43 anos, foi empossada, nesta quinta-feira (25), como a nova reitoria da Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo). Luanda é a primeira reitora negra de um polo de ensino superior estadual do Rio. O professor Dario Nepomuceno da Silva Neto foi empossado para o cargo de vice-reitor. Os professores permanecem nos cargos até 2025.

Inaugurada em 2005, a Uezo tem por objetivo atender a demanda de estudantes da Zona Oeste do Rio de Janeiro, e de municípios como Itaguaí e Nova Iguaçu.

Aos 43 anos, Luanda é a terceira reitora eleita da Uezo, onde ingressou em 2009 como professora temporária. Três anos depois, foi integrada ao quadro permanente, através de concurso público, como professora adjunta. Graduada em Engenharia Química pela Universidade Rural do Rio de Janeiro, a nova reitora é mestra e doutora em Ciências e Ciência e Tecnologia de Polímeros pelo Instituto de Macromoléculas da UFRJ, realizou “doutorado sanduíche” (um período no Brasil e outro fora) no Instituto per lo Studio delle Macromolecole (ISMAC), do Consiglio Nazionale delle Richerche de Milão (CNR), e, ainda, realizou pós-doutoramento na Uerj.

Foto: Governo do Estado do Rio de Janeiro

As universidades públicas têm a missão de formar pessoas capacitadas para alavancar o desenvolvimento de todo o país. Além disso, elas têm uma responsabilidade única de produzir conhecimento para fazer com que eles tragam benefício social, intelectual e econômico para a sociedade“, afirmou a professora Luana.

Tomar posse no mês em que são celebradas duas importantes datas – Dia Internacional da Mulher (08 de março) e Dia Internacional contra a Discriminação Racial (21 de março) – fizeram Luanda ressaltar que espaços universitários são plurais e, por isso, buscam o debate de ideias.

Leia também: Universidade da Escócia tem a primeira reitora negra da história

Trago em meu DNA a herança da ancestralidade de reis e rainhas que, até mesmo em situação de escravização, manifestaram resistência à colonialidade. E, com maestria, genialidade e inteligência, preservam seus saberes e conhecimentos que estão até hoje a serviço da nossa sociedade. Nesta gestão, não há espaço para preconceitos de nenhuma natureza. A Uezo estará junto com a sociedade e aberta ao povo, afinal, é uma universidade de inclusão social e capacitação profissional“, disse a nova reitora.

Foto: Governo do Estado do Rio de Janeiro

Eleito na chapa de Luanda como vice-reitor, o professor Dario Nepomuceno, também negro e físico por formação, além de mestre e doutor pelo Observatório Nacional (ON/MCT), salientou a origem da Uezo e a construção de parcerias com empresas para que absorvam os recém-saídos da universidade.

Foi a própria população da Zona Oeste quem demandou a criação desta universidade na região. Já temos parcerias com empresas, como por exemplo, Casa da Moeda, Petrobras, entre outras, que, através dos convênios, ajudam na contratação de profissionais. Portanto, nosso Centro Universitário tem viés de transferir tecnologia e gerar inovação, não só em produtos, mas também em processos“, afirmou o vice-reitor.

Localizada em Campo Grande, a Uezo é vinculada à Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação. Em 2005 foi criada e, três anos depois, teve sua emancipação. O Centro Universitário oferece dez cursos e tem cerca de dois mil alunos, sendo 31% em condições de vulnerabilidade social.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.