Pobre que perde ação trabalhista não precisa pagar honorários, diz STF

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Pessoas pobres, que têm direito à justiça gratuita, caso percam uma ação trabalhista, não precisam pagar os horários de peritos, nem dos advogados da parte vencedora. O Supremo Tribunal Federal (STF) tomou essa decisão nesta quarta-feira (20), por 6 votos a 4.

A ação foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que questionou mudanças feitas pela reforma trabalhista de 2017, que determinou que pessoas que têm direito à justiça gratuita terão que arcar com honorários de advogados e peritos, caso percam uma ação trabalhista. Os valores são bloqueados de créditos obtidos em outros processos.

Leia também: Governo Bolsonaro aciona STF para não ser obrigado a combater a fome

A lei também prevê que, se faltar à audiência, o trabalhador terá que arcar com as custas. Neste caso, o STF decidiu manter a cobrança válida.

A justiça gratuita pode ser concedida aos trabalhadores que recebem salário igual ou inferior a 40% do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social.

Com relação aos honorários, a maioria dos ministros seguiu o entendimento da divergência aberta pelo ministro Edson Fachin, que afirmou que as regras ferem o direito fundamental de acesso à Justiça.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.