Pessoas brancas representam 65% dos trabalhadores em home office, revela estudo

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Um estudo feito pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) do Ministério da Economia, com dados do IBGE, revela que das 7,3 milhões de pessoas que trabalham em casa durante a pandemia, a maior parte é de mulheres; 65% são pessoas brancas, 76% completaram o ensino superior e 84% têm contrato ou carteira assinada.

Segundo o coordenador do estudo, Geraldo Góes, 58% das pessoas em teletrabalho estão no Sudeste do país e só 3%, na região Norte. “O teletrabalho não alterou o nível de desigualdade no país. Essa desigualdade, no sentido de que quanto maior a escolaridade, maior renda per capita, maior formalidade no mercado de trabalho, maior o potencial de ser exercido esse trabalho remoto”, explicou o pesquisador do IPEA em entrevista ao Jornal Nacional.

Para a maioria dos trabalhadores do país, a segurança de exercer as atividades em casa usando a internet tem sido impossível. Para manter comércio, fábricas e os serviços básicos funcionando, mais de 80 milhões de brasileiros continuam indo e vindo para o trabalho todo dia. E, por causa disso, muitos deles se tornaram vítimas da Covid.

Um levantamento feito pelo Jornal Nacional revela que a maior parte dos desligamentos por morte, em 12 meses de pandemia, aconteceu entre aqueles que exerciam atividades essenciais. No topo da lista estão motoristas de ônibus urbanos e cobradores, seguidos por vigias, porteiros e zeladores, motoristas de ônibus rodoviários, vigilantes e motoristas de carros, caminhões e vans.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.