Comissão da Verdade sobre a Escravidão no Rio Grande do Sul disponibiliza Biblioteca Virtual 

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Com a intenção de compartilhar conhecimento para a comunidade negra e também entre os interessados em debates raciais, a Comissão da Verdade sobre a Escravidão no Rio Grande do Sul (CVEN/RS) disponibiliza uma biblioteca virtual no seu site com livros de referências, relatórios, diagnósticos, produções literárias e artísticas sobre relações etnicorraciais no Brasil e no mundo. 

Layout do site que disponibiliza a Biblioteca Virtual – Foto: Divulgação Internet

Na plataforma digital são 263 arquivos distribuídos nas categorias Comunidades Tradicionais; Cultura Africana e Afro-brasileira; Educação; História da Escravização no Brasil; Lutas e Resistências; Memória, Verdade e Justiça – Justiça de Transição; Mídia; Mundo do Trabalho; Saúde e Segurança Pública e Direitos Humanos. 

Para Laura Zacher, membro convidada da CVEN, a biblioteca tem a função de democratizar o acesso a bibliografias essenciais relacionadas a questões etnicorraciais, estudos e pesquisas sobre racismo e antirracismo. “Demos ênfase para a produção intelectual negra local, nacional e internacional. Coleções clássicas, como o Selo Negro e Feminismos Plurais estão na íntegra”, explicou. 

Ainda segundo Laura, o acervo de conteúdos pode ser acessado direto pelo celular e contém diversos livros integralmente disponíveis que já não se encontram a venda, apenas em bibliotecas universitárias. 

Para acessar o conteúdo, basta clicar.

APOIO-SITE-PICPAY

Ariel Freitas

Jornalista, escritor, rapper e ativista. Criado nos becos estreitos da Vila Estrutural e pelas esquinas do Morro Santana, ambos localizados na zona norte de Porto Alegre. Aos 16 anos, Ariel Freitas era campeão de freestyle na maior batalha do estado do Rio Grande do Sul, a famosa Batalha do Mercado. Atualmente, Ariel Freitas escreve sobre os impactos do racismo na Capital da desigualdade racial. Uma Porto nem tão Alegre assim.

4 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.