Pesquisa mostra que América Latina tem 86 milhões de pessoas em extrema pobreza

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Além da quantidade de vidas perdidas com a crise sanitária causada pela pandemia da Covid-19, o mundo, principalmente a América Latina, sofre de um outro mal: a crise social e econômica que atingiu os países mais vulneráveis. 

201 milhões de pessoas na América Latina está em situação de pobreza – Foto: Harsh Kushwaha

Um levantamento realizado pela Comissão Econômica para a América Latina, América e Caribe (Cepal), publicado na quinta-feira (27), revela que, nos últimos dois anos, houve um aumento de 13,8% de pessoas em situação de extrema pobreza, chegando a 86 milhões.

Segundo a Cepal, este número representa um retrocesso de 27 anos de trabalhos para erradicação da pobreza na região, chegando ao sexto ano consecutivo de aumento nas taxas de pobreza e extrema pobreza, atingindo níveis iguais aos do final dos anos 2000.

Leia também: Dia de Combate ao Trabalho Escravo: “Eu recebia meio salário e uma cesta básica como pagamento mensal”, conta

O levantamento apontou também que a quantidade de pessoas em situação de pobreza também aumentou, chegando a 201 milhões de pessoas. “Apesar da recuperação econômica vivida em 2021, os níveis de pobreza e extrema pobreza permaneceram acima dos registrados em 2019, o que reflete a continuidade da crise social”, diz trecho do relatório Panorama Social da América Latina.

Gêneros

O estudo revelou ainda o que já era esperado, mulheres foram as mais atingidas pela crise sanitária e o número de mulheres sem renda própria aumentou no ano de 2020, principalmente entre as mulheres negras e indígenas. 

Ainda de acordo com o relatório da Cepal, a pobreza na América Latina teria sido pior em toda região se os governos não tivessem adotado medidas de transferência de renda para populações mais vulneráveis. Em 2020, foram quase U$ 90 bilhões em ações emergenciais, já no ano seguinte, essa quantidade caiu pela metade. 

“A ‘recuperação’ econômica de 2021 não foi suficiente para mitigar os profundos efeitos sociais e do trabalho da pandemia, estreitamente vinculados à desigualdade de renda e gênero, à pobreza, à informalidade e à vulnerabilidade em que vive a população”, declarou Alicia Bárcena, Secretária-Executiva da Cepal, em entrevista coletiva. 

Educação

O relatório informou também que a América Latina foi a região em que os estudantes ficaram o maior tempo sem aulas presenciais. Em média, a região registrou 56 semanas de interrupção escolar total ou parcial. “Esta situação tem como consequência a piora da situação das mulheres, que se sobrecarregam com as tarefas domésticas e relacionadas aos filhos e não conseguem buscar fontes de renda”, conclui Alícia.

APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.