Para combater racismo, Medicina da UFMG oferece toucas para cabelos volumosos

APOIE O NOTÍCIA PRETA


A Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) está distribuindo toucas descartáveis para cabelos volumosos. A demanda será para todos os alunos que necessitem nas aulas práticas.

A proposta foi apresentada por alunos do Grupo de Estudos de Negritude e Interseccionalidades (GENI) e pelo Diretório Acadêmico Alfredo Balena (DAAB), por meio de seus representantes na Comissão Permanente de Enfrentamento ao Racismo (CPER).

“As consequências do racismo institucional no aprendizado de estudantes negros e indígenas é uma das questões cruciais para a criação da Comissão Permanente de Enfrentamento ao Racismo. Esse racismo tende a adoecer mentalmente e até expulsar esses estudantes dessa instituição a partir dessas violências cotidianas”, comentou a Marina Nascimento, que faz parte da CPER.

Proposta surgiu da Comissão Permanente de Enfrentamento ao Racismo. Foto: Instagram/ Reprodução

Leia também: UFMG, UFRJ, UFRGS, Unicamp, Unifesp e USP estão entre as 10 melhores universidades da América Latina

Marina também pontuou que a falta dos itens para quem tem cabelos volumosos vinha gerando desgaste entre estudantes negros. “Eu, por exemplo, senti isso nas minhas primeiras experiências com EPIs (Equipamentos de Proteção Individual). Passei por isso com black e com tranças, e a sensação foi ‘parece que meu corpo não deveria estar nesse lugar na posição de estudante’”, relatou.

A universidade adquiriu 800 unidades para este semestre, disponibilizadas no Hospital das Clínicas da UFMG e no laboratório de cirurgia, por exemplo, junto às demais toucas. A CPER monitora a distribuição dos itens e pretende que ela se torne regular nos cursos da faculdade.

A faculdade disponibilizou um formulário para que estudantes acima do oitavo período ou que frequentem o internato — vivência prática nos anos finais do curso — demandem as toucas, como forma de refinar a oferta.

APOIO-SITE-PICPAY

Thiago Augustto

Um filho negro adotado. Thiago Augustto faz questão de marcar sua existência pela raça e pela oportunidade de viver. Transformou o tabu da adoção num grande motivo de orgulho. É criador de conteúdo e palestrante. Se formou em jornalismo em 2014, desde então, trabalha na TV Globo Recife, atuando como produtor e repórter. No Notícia Preta, é editor e coordena os colaboradores das regiões norte e nordeste. Em 2021, criou o Futuro Black - um banco de talentos e de fontes profissionais pretas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.