Nigeriana Tiwa Savage, a rainha do Afrobeat, lança albúm e ganha projeção mundial

APOIE O NOTÍCIA PRETA

A cantora nigeriana Tiwa Savage lançou, na última semana, o quarto álbum de sua carreira, chamado “Celia”, que conta com a participação de Sam Smith, Naira Marley, Stefflon Don, entre outros artistas. O álbum completo foi gravado na Nigéria, onde cantora nasceu e foi aclamada nos últimos anos como a “Rainha do Afrobeat”.

Aos 40 anos, Savage já foi apresentadora de televisão (em “Nigerian Idol”), atriz , sua própria diretora de vídeo e ativista dedicada à prevenção do HIV / AIDS e ao combate à cultura do estupro na Nigéria . Nos últimos anos sua música vem ganhando alcance internacional, principalmente em plataformas de streaming.

“Celia” é um álbum de grooves de Afrobeats elegantemente insinuantes que carregam canções de amor e mensagens sutis, mas de muito empoderamento. As letras são cantadas em inglês e também em iorubá. Seu último single, “Temptation”, é um dueto com a cantora pop inglesa Sam Smith, que ficou “lisonjeada” por se juntar a ela, disse Smith em entrevista ao NY Times, porque “eu a acho sensacional”.

Smith acrescentou: “Tiwa tem um tom natural em sua voz que faz você se sentir como se estivesse ouvindo um amigo. É uma sensação confortável e saudável e caseira. E ela soa gentil quando canta. Meus cantores favoritos têm uma suavidade na voz que, você sabe, não bate na sua cara. Ele apenas senta com você e fala com você de uma maneira gentil e suave. É assim que ouço a voz dela. ”

Para Tiwa Savage, “Celia” é um ponto culminante e um recomeço. “Quando comecei como artista, fui vista de uma certa forma e cresci desde então”, disse ela. “Eu experimentei um divórcio, sendo uma mãe solteira e vendo reações por ser às vezes muito sexy em uma indústria dominada por homens”, disse a nigeriana em entrevista ao jornal americano NY Times.

“Eu queria que minha mensagem fosse clara”, acrescentou a cantora. “Tenho uma plataforma agora para encorajar as jovens africanas. Como é importante ser fiel a si mesma e ser assumidamente forte como mulher”, declarou Tiwa.

Ao longo do álbum, a sutileza da cantora é estratégica. “Inicialmente, quando você ouve, é como, ‘Oh, eu quero estar no clube, sacudindo minha bunda.’ Então eu vou te pegar dessa maneira primeiro. E então você volta e escuta a letra e então se inspira nela ”, disse Savage.

O nome do álbum, “Celia”, é uma homenagem a mãe de Savage, e o álbum termina com “Celia’s Song”, elogiando-a com aleluias religiosos. “Se você disser à minha mãe: ‘Oh, isso é impossível’, ela dirá a você: ‘OK’. Ela vai embora, e silenciosamente fará isso. Ela é tímida e reservada, mas é poderosa. Fora do palco, também sou muito reservada, muito quieta”, conta Tiwa Savage.

Savage nasceu em Lagos e cresceu ouvindo música nigeriana que seus pais adoravam – o Afrobeat politicamente carregado de Fela Kuti e o juju de Sir Shina Peters – junto com pop ocidental importado. Ela tinha 11 anos quando se mudou com a família para Londres e, embora fosse atraída pela música e cantasse no coro da escola, obedientemente seguiu o conselho do pai e obteve seu primeiro diploma universitário em administração de empresas, passando a trabalhar como contadora em um banco.

Mas a música atraiu e Savage e a artista decidiu estudar no Berklee College of Music em Boston, adicionando o jazz em seu vocabulário. Sua próxima mudança foi para o Brooklyn, onde se concentrou em escrever músicas. Uma noite ela terminou uma sessão e deixou seu engenheiro de som trabalhando em uma pista. Fantasia, que estava trabalhando em um estúdio próximo, ouviu a música “Collard Greens and Cornbread” e imediatamente quis gravá-la.

Isso proporcionou a Tiwa um contrato com a Sony / ATV e uma mudança para Los Angeles, onde a cantora trabalhou como compositora e backing vocal. “Aprendi 70% sobre como lidar com o estresse da indústria sendo um backup”, disse Savage. 

Em 2010, Savage iniciou a sua carreira a solo, voltando para Lagos – que já era o centro do Afrobeats – a pedido de Tunji Balogun, então representante A&R da Interscope Records. Ele se tornou seu empresário e, em 2013, seu marido. Em 2015, eles tiveram um filho, Jamil, e alguns anos depois se separaram.

Seu próximo álbum, que pode chegar no ano que vem, e Tiwa não nega que pode mergulhar na música brasileira ou em outros estilos que já chamaram sua atenção: “Nunca vou parar de experimentar”, disse ela. “Isso é quem eu sou. Acostume-se”.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.