Mulheres negras são 67% das vítimas de feminicídio, segundo Atlas da Violência

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O Fórum Brasileiro de Segurança Pública publicou, nesta terça-feira (31), o Atlas da Violência, onde mostra que, em 2019, 67% das mulheres assassinadas no Brasil eram negras (soma dos pretos e pardos da classificação do IBGE).

Fonte: Atlas da Violência 2021 /  Ilustrações: Garylandia, Rodrigo Mitsuru, Pedro Fontoura, Wes Araújo, Laerte Souza.

A taxa de homicídios de mulheres não negras que foi de 2,5, já a taxa para as mulheres negras foi de 4,1. Ou seja, o risco relativo de uma mulher negra ser vítima de homicídio é 1,7 vezes maior do que o de uma mulher não negra (para cada mulher não negra morta, morre 1,7 mulher negra).

O Atlas da Violência é elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Instituto Jones dos Santos Neves, ainda mostra que em 2009, a taxa de mortalidade de mulheres negras era 48,5% superior à de mulheres não negras. Porém, onze anos depois, a taxa de mortalidade de mulheres negras é 65,8% superior à de não negras.

Os estados que apresentaram maior risco relativo de vitimização letal de mulheres negras foram Rio Grande do Norte (5,2), Amapá (4,6) e Sergipe (4,4), em que os percentuais de mulheres negras vítimas de homicídios em relação ao total de assassinatos de mulheres foram de 88%, 89% e 94%, respectivamente.

Leia também: Atlas da Violência: homicídios de indígenas crescem 21,6% em 10 anos

Entre 2009 e 2019, o total de mulheres negras vítimas de homicídios apresentou aumento de 2%, enquanto o número de mulheres não negras assassinadas caiu 26,9% no mesmo período, o que revela uma desigualdade ainda maior na intersecção entre raça e sexo na mortalidade feminina.

Fonte: Atlas da Violência 2021 /  Ilustrações: Garylandia, Rodrigo Mitsuru, Pedro Fontoura, Wes Araújo, Laerte Souza

Desigualdade Racial

O estudo também divulgou dados em relação a violência contra pessoas negras. Segundo o Atlas, em 2019, os negros representaram 77% das vítimas de homicídios no país, com uma taxa de homicídios por 100 mil habitantes de 29,2. Comparativamente, entre os não negros a taxa foi de 11,2 para cada 100 mil, o que significa que a chance de uma pessoa negra ser assassinada é 2,6 vezes superior àquela de uma pessoa não negra.

Ao analisar os números absolutos, houve um aumento de 1,6% dos homicídios entre negros entre 2009 e 2019, passando de 33.929 vítimas para 34.446 no último ano. Já entre não negros, houve redução de 33% no número absoluto de vítimas.

APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

  • […] Mulheres em situação de vulnerabilidade social terão acesso a absorventes higiênicos em Minas Gerais, após a sanção da Lei 23.904, pelo governo do estado, publicado no último sábado (4), no Diário Oficial do Estado. Os itens serão disponibilizados, prioritariamente, nas escolas públicas, unidades básicas de saúde, unidades prisionais e locais de acolhimento à população em vulnerabilidade. Para que a lei seja cumprida, o estado prevê incentivar empresas que fabriquem absorventes higiênicos a baixo custo. […]

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.