Mulheres negras morrem mais no parto e têm mais filhos prematuros, afirma Fiocruz

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Dia 27 de outubro é celebrado o Dia Nacional de Mobilização Pró-Saúde da População Negra e o Observatório da Covid-19, vinculado ã Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) publicou um levantamento onde mostra que, dos 1.204 óbitos maternos registrados entre 2020 e 2021, em decorrência da Covid-19, 56,2% foram de mulheres negras. O risco de morte dessas grávidas foi quase duas vezes maior do que para as mulheres brancas.

Mulheres negras são as que menos têm assistência médica – Foto: Reprodução

Ainda de acordo com o estudo, as mães negras apresentaram, também, o maior percentual de bebês nascidos prematuros, condição de 14,8% de seus filhos (pretas, com 7,7% e pardas, com 7,1%). Depois vieram as indígenas (8,1%), as mulheres brancas (7,8%) e amarelas (6,3%), de acordo com um levantamento da UFPel, Unicef e Ministério da Saúde.

Para Cecília Izidoro, integrante do Grupo de Trabalho Diversidade, Equidade e Segurança do Paciente, da Sociedade Brasileira pela Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (SOBRASP), entre os principais problemas na área da saúde com relação às desigualdades étnico-raciais – e que impactam mulheres e neonatos negros – está a questão dos dados sobre raça/cor. “Ou não são coletados pelos profissionais de saúde nos locais de atendimento, ou, quando existentes, não são empregados como base essencial para o planejamento e a tomada de decisões nas políticas e ações de saúde no Brasil”, explica.

Leia também: 57% das mortes maternas de 2020 foram de mulheres negras

Ela destaca que essas informações também precisam ser divulgadas e disponibilizadas pelas autoridades municipais de forma ampla e transparente, e junto à sociedade civil e população em geral. “Por meio desses dados poderemos tornar os sistemas nacionais e locais de informação da saúde aptos a consolidar indicadores que traduzem os efeitos dos fenômenos sociais e das desigualdades sobre os diferentes segmentos populacionais. Não ter a informação é uma forma de encobrir o racismo. Sem conhecer, não temos como direcionar nossos esforços para um enfrentamento das desigualdades”, completa.

Cecília, que também é enfermeira e docente da Escola Anna Nery /UFRJ, ressalta que as estatísticas expõem a vulnerabilidade estrutural das mulheres negras no Brasil, onde esse grupo é historicamente mantido em desvantagens. “Em 2019, antes da pandemia, mais de 65% dos óbitos maternos foram de mulheres negras, contra 30% de brancas, de acordo com o Ministério da Saúde”, relata. Acesso à saúde.

Ainda segundo o levantamento, as mulheres negras têm menos chances de passar por consultas ginecológicas e de pré-natal, e são as que mais peregrinam até conseguir vaga numa maternidade para dar à luz Além disso, recebem com menos frequência recursos para alívio da dor durante o parto ou mesmo anestesia.

Cecília Izidoro ressalta que é preciso políticas públicas para mitigar os Danos às mulheres negras – Foto: Arquivo pessoal

Mulheres negras também estão sujeitas a sofrer violência verbal nas maternidades com expressões discriminatórias, vítimas prioritárias de um parto inseguro e desrespeitoso. “Não daremos nenhum passo atrás contra as iniquidades no acesso e permanência nos serviços de saúde, seja no público ou privado. Para nós, equidade é qualidade e segurança no cuidado”, conclui Cecília.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.