“Minha missão é ajudar outros empreendedores”, diz fundador do Banco Afro

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Ajudar empreendedores negros a se estabelecerem no mercado, gerar lucros e alcançarem sucesso financeiro, além de contribuir para que comunidades se desenvolvam e se relacionem melhor com o dinheiro são alguns dos objetivos do Banco Afro.

Fundado por Diego Reis, um afroempreendedor e fomentador do ecossistema de impacto social, muito mais que realizar atividades financeiras, o Banco Afro contribui com iniciativas que visam diminuir as desigualdades sociais e que ajudam negros, pardos, quilombolas e refugiados a se qualificarem e a empreender.

“Hoje minha missão é ajudar outros empreendedores, para que eles tenham sucesso em seus negócios e não passem pelas dificuldades que eu passei”, explica Diego Reis.

Filho de pai militar e mãe professora, Diego Reis foi criado num lar em que o estudo era a prioridade e, desde muito pequeno, tinha um sonho: “queria ser empresário”, conta o fundador do Banco Afro

“Aos 12 anos, fiz um curso de montagem e manutenção de computadores, botei uma faixa no portão de casa e comecei a receber clientes. Trabalhava consertando equipamentos em meu próprio quarto”, relembra Diego.

Diego Reis, CEO e fundador do Banco Afro

LEIA TAMBÉM: Banco Afro lança ‘Liberto’ uma nova opção para empresas e colaboradores na flexibilidade dos benefícios

Aos 16 anos, já emancipado, abriu sua primeira empresa formal com um sócio. Naquele tempo, ainda não tinha uma visão afrocentrada, não havia passado por uma  vivência racista e não tinha noção do racismo estrutural da sociedade. Foi quando procurou instituições bancárias para conseguir empréstimo para o negócio que começou a perceber o preconceito. Depois de um ano esperando o empréstimo em mais de um banco, o sócio dele, branco, resolveu tentar. Conseguiu o empréstimo em apenas uma semana.

O racismo estrutural foi sendo compreendido a partir dali. Quando teve um emprego em que viajava muito, passou a perceber melhor a questão racial: quase sempre, era o único preto nos locais de trabalho.

Apesar de os negros serem 56% da população brasileira, o empreendedorismo é bem diferente para pretos e brancos. Enquanto o negro é um nanoempreeendor, ou seja, empreende apenas para a sobrevivência; os grandes empresários são, em sua esmagadora maioria, brancos, assim como é difícil ver negros ocupando cargos de destaque em grandes corporações, sendo este fato uma questão histórica.

Diego Reis com o Banco Afro desenvolve projetos e trabalha cada vez mais para impactar socialmente a sociedade, gerar oportunidades e mostrar a importância do empreendedorismo da comunidade negra.

APOIO-SITE-PICPAY

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.