“Liberdade sim, igualdade não.”

APOIE O NOTÍCIA PRETA
Luciana Barreto – Jornalista

O escritor Lima Barreto nasceu em um 13 de maio. Era filho de um tipógrafo e de uma professora, ambos negros. Lima Barreto não conheceu a servidão. Celebrava seus sete anos de idade no dia da Abolição. Sobre o cativeiro, disse alguns anos depois, em uma crônica: “Não lhe imaginava o horror; não conhecia a sua injustiça.” Começou a vida escolar nos anos de Lei Áurea. “Quando fui para o colégio, um colégio público, à Rua do Resende, a alegria entre a criançada era grande. Nós não sabíamos o alcance da lei, mas a alegria ambiente nos tinha tomado. Julgava que podíamos fazer tudo que quiséssemos… Parece que essa convicção era geral na meninada, porquanto um colega meu, depois de um castigo, me disse: ‘Vou dizer a papai que não quero voltar mais ao colégio. Não somos todos livres?”

O jovem Lima Barreto tornou-se um escritor brilhante e posicionado. A esta altura, sabia que estávamos ainda “longe de sermos todos livres”. Poucos anos após a Abolição, denunciava o racismo com afinco. Em seu último romance, conta a história da menina negra “cor de azeitona” Clara dos Anjos, uma de suas personagens favoritas. Clara é uma menina cheia de sonhos e planos para o futuro livre, mas é seduzida por um vizinho malandro, branco, que a engravida e, em seguida, a abandona. O dia da sedução ficou gravado em um diário: 13 de maio!

Somos todos Clara dos Anjos! Lima Barreto é nosso alter ego. Fomos todos enganados. Nos 130 anos seguintes ao 13 de maio de 1888, leis foram criadas para nos alertar de que a tal liberdade não poderia ser confundida. Logo em 1890, o código penal dos Estados Unidos do Brazil criminalizava a capoeira, mendicância, embriaguez e a vadiagem. Começava o encarceramento da população negra. Teorias, acadêmicas inclusive, se encarregaram de construir no imaginário do brasileiro a figura do negro como “inimigo social”. As artes deram conta de colocar os pretos sempre no lugar da subalternidade. E a luta contra o racismo, que insiste em inferiorizar os pretos, manteve parte da população ocupada. “Julgava que podíamos fazer tudo o que quiséssemos”! Pensamos nós, os pretos, que nosso dinheiro era igual e não impediria a entrada em uma loja. Que um carro, com cinco pretos, passaria por uma blitz sem ser alvejado. Que os shoppings não nos notaria. Que a escola nos defenderia. Que o mercado nos empregaria pelo nosso esforço, “mérito” e qualificação. E que o Estado que nos libertou, não nos mataria. São tempos de extremos.

Chegamos ao aumento de 428% na mortes de jovens negros nas duas últimas décadas. Políticas públicas que poderiam amenizar o processo de exclusão vêm sendo questionadas por representantes eleitos pelo povo, preto em sua maioria. O discurso de ódio contra negros circula livremente, sem aquele constrangimento que nos garantia o mínimo de respeito. Mulheres pretas são 81% das vítimas no Facebook. Vamos denunciar exaustivamente. A corda está esticada. A contagem agora é para saber: em quanto tempo ela arrebenta e vamos ter aquele dedo de prosa com nosso vizinho malandro? Aliás, quem é você nesta história? Clara dos Anjos? O vizinho malandro?

APOIO-SITE-PICPAY

Luciana Barreto

Luciana Barreto é uma referência para os jornalistas negros de todo o país. Por 14 anos esteve na TV Brasil, conquistou prêmios e, junto com a TV pública, deu voz e protagonismo aos personagens excluídos do jornalismo tradicional. Antes de ir para a TV Educativa, Luciana trabalhou no Canal Futura, GNT, BandNews, TV Bandeirantes. Embora esteja na grande mídia, Luciana sempre tem um olhar atento ao que chama de pautas negligenciadas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.