Imigrantes negros residentes na Ucrânia denunciam racismo ao tentar sair do país 

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Imigrantes negros que moram na Ucrânia estão sofrendo discriminação por parte das Forças Armadas do país e da Polônia, para onde grande parte dos refugiados da guerra contra a Rússia estão fugindo. Nas redes sociais e na comunicação social internacional, têm surgido cada vez mais relatos da complexa peregrinação de pessoas negras para escapar da invasão russa na Ucrânia e que denunciam racismo por parte da polícia e exército nacionais. As informações são do portal Diário do Centro do Mundo.

As pessoas esperam para embarcar em um trem de evacuação de Kyiv para Lviv na estação de trem central de Kyiv, Ucrânia. Foto: Reuters

Algumas pessoas tentaram entrar nos autocarros mas basicamente não permitem que negros entrem. Estão a dar prioridades aos ucranianos. É o que dizem”, disse uma cidadã britânica de ascendência africana ao site Business Insider.

Leia também: “Até o gás de cozinha vai aumentar”, afirma especialista sobre confrontos na Ucrânia

Pelo Twitter, a jornalista Nathália Urban, comentarista da TV 247, disse que “as redes sociais estão inundadas de relatos e vídeos de imigrantes africanos na Ucrânia sofrendo discriminação ao tentarem deixar o país”, e destacou: “agora estamos vendo as reclamações de brasileiros que enfrentam problemas semelhantes“. Jogadores brasileiros do Zorya (Guilherme Smith, Cristian Fagundes, Juninho, a esposa dele, Vitória Magalhães e o filho Benjamim, 4 anos) caminharam quase 10 horas a pé entre Lviv, no oeste do Ucrânia, e a fronteira, mas não conseguiram passar para o território polonês. 

A jornalista Stephanie Hegarty, da BBC, publicou uma série de tweets que explicam a provação dos estudantes. “Uma estudante nigeriana de Medicina, na fronteira da Polónia/Ucrânia (Medyka-Shehyni) disse-me que está à espera há sete horas para passar, ela diz que os guardas estão a travar as pessoas negras e a enviá-las de volta para o fim da fila, dizendo que têm de deixar passar os ‘ucranianos” primeiro”, escreveu.

Ainda de acordo com Hegarty, as forças polonesas negam discriminação: “o porta-voz da força de fronteira polonesa me disse que a Polônia está permitindo que qualquer pessoa que chegue à fronteira da Ucrânia entre na Polônia“. 

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.