‘Foi devastador’, define Normani sobre comentários racistas de Camila Cabello

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Em entrevista concedida à Rolling Stones, a cantora falou sobre a sua carreira e como era considerada apenas dançarina no grupo Fifth Harmony

Normani fala de racismo. Foto: Divulgação/Sony Music

A cantora Normani surpreendeu os fãs ao relevar para a revista americana Rolling Stone que foi “devastador” saber dos comentários racistas feitos pela colega e ex-integrante do Fifth Harmony, Camila Cabello. Em 2019, a cantora Camila Cabello teve postagens antigas nas redes sociais com termos racistas reveladas. Em alguns dos comentários a artista usava palavras como “nigga” e “nigger”, consideradas extremamente racistas na língua inglesa e que remetem aos tempos da escravidão nos EUA.

Normani foi questionada durante a entrevista, mas preferiu responder a pergunta por e-mail. “Quero ser muito clara sobre o que vou dizer sobre esse assunto desconfortável e achei que seria melhor escrever meus pensamentos para evitar ser mal interpretada, como fui no passado. Eu lutei para falar sobre isso porque eu não queria ser a parte de uma narrativa, mas eu sou uma mulher negra, que faz parte de uma geração inteira que tem uma história similar”, escreveu Normani.

“Eu enfrento ataques sem sentido diários, assim como o resto da minha comunidade. Isso representa um dia na vida para nós”

Normani

“Eu tenho tolerado a discriminação muito antes de entender o que exatamente estava acontecendo. O ódio direto e subliminar tem sido direcionado a mim por muitos anos apenas por causa da cor da minha pele. Seria desonesto se eu dissesse que esse cenário em particular não me machucou. Foi devastador que isso viesse de um lugar que deveria ser um porto seguro e uma irmandade, porque eu sabia que, se o jogo virasse, eu defenderia cada uma delas em um único batimento cardíaco”, desabafou a cantora.

Normani. Foto: Campbell Addy.

A cantora Camila Cabello chegou a pedir desculpas quando as postagens vieram à tona e justificou que era muito nova na época. As publicações foram feitas quando a cantora tinha 15 anos.

No e-mail, Normani ainda comenta que espera haver um arrependimento verdadeiro da ex-colega de grupo. “Levou dias para ela reconhecer o que eu estava lidando online e depois anos para que ela assumisse a responsabilidade pelos tweets ofensivos que ressurgiram recentemente. Se foi ou não a intenção dela, isso me fez sentir em segundo lugar no relacionamento que ela tinha com seus fãs”, afirmou.

A jovem ainda aproveitou para dizer que espera sinceridade no arrependimento da ex-colega de grupo. “Realmente espero que uma lição importante tenha sido aprendida nisso. Espero que haja um entendimento genuíno sobre por que isso foi absolutamente inaceitável”, diz Normani.

Publicação de Camila Cabello em sua conta no Twitter

A única integrante negra do Fifth Harmony também aproveitou a entrevista para desabafar como se sentia no grupo. Normani afirmou que era como se fosse apenas uma dançarina do grupo e não uma integrante como as outras artistas.

“É inacreditável que agora posso ter a oportunidade de ser tudo que eu quero ser. Quero sentir que fui representada do jeito mais autêntico possível, porque sei como é vir de um grupo pop feminino e ter sempre alguém te falado como agir, como ser”.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.