Estudo mostra que apenas 4,7% dos negros ocupam cargos executivos em grandes empresas

APOIE O NOTÍCIA PRETA
Pessoas negras são pouco mais de 6% nos cargos de gerências das grandes empresas – Foto: Nappy

Um levantamento realizado pela Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial, publicada nesta quarta-feira (18), revelou que, em 23 grandes empresas, apenas 6,3% dos cargos de gerência são ocupados por negros. Entre essas empresas estão AmBev, Natura e Petrobrás. Os números mostram ainda que nos conselhos de administração dessas grandes empresas a representação de pessoas negras é ainda menor, sendo 4,9% dos assentos e os executivos chegam a míseros 4,7% dos representantes.

Para a psicóloga e gestora de RH, Stella Carolina Salomão Manica, o número de negros ocupando cargos de gerência nas empresas está ligado a toda a situação negra no país. “Pobres e com acesso precário à educação de qualidade, principalmente ao ensino superior, o que faz com que a concorrência seja desleal em relação à outras pessoas que têm acesso a uma boa educação, formação e qualidade de vida”, afirmou.

Stella ainda ressaltou que os entraves criados pelas empresas, estereotipando candidatos negros, dificulta a entrada no mercado e a ascensão nas carreiras. “As pessoas têm a mania de pressupor algo sobre alguém logo à primeira vista e com o negro esse peso é muito maior. O cabelo é analisado e muitas vezes considerado inadequado, o jeito de se vestir e o corpo. A impressão que se tem é que as qualificações profissionais do negro são as últimas coisas a serem analisadas e muitas vezes em comparação a uma pessoa branca, ainda se perde a vaga”, lamentou.

Stella ressalta a importância das empresas avaliarem as qualificações profissionais e não estereotipar o negro – Foto: Arquivo Pessoal

Outros níveis

Por outro lado, enquanto os negros são minoria nos cargos de direção, os de aprendizes e trainees, a grande maioria é de pessoas negras. De acordo com o levantamento, 57% de aprendizes e 58% de trainees são negros.

Ainda segundo Stella Carolina, a mudança deste quadro está diretamente ligada ás igualdades de oportunidades entre pessoas negras e brancas. “Melhorar as condições de vida, acesso à educação de qualidade e ao ensino superior da população negra auxiliará no nivelamento técnico. Já quanto ao preconceito, vejo que o movimento atual de conscientização sobre a existência de seres humanos iguais onde cor ou raça não nos fazem inferiores ou menos pessoas do que os outros é um movimento que precisa continuar e avançar, esse é o caminho”, afirmou a psicóloga que completou. “É Claro que não apagará a história e não será do dia para a noite e é isso o que caracteriza como luta. Por isso é tão importante ativistas negros na política, para que políticas públicas voltadas à comunidade sejam criadas”, finalizou.

A pesquisa foi fundamentada em respostas da próprias empresas, a partir de questionários pré estabelecidos e participaram da pesquisa as empresas Ambev, Archer Daniels Midland, Bradesco, Bristol Myers Squibb, Carrefour, Concessionária do Aeroporto Internacional de Guarulhos – GRU Airport, Corteva Agriscience, Eureca Atitude Empreendedora, GE Healthcare, GO Associados, GPA, Intel, KPMG, MetrôRio, Natura, Petrobras,Procter & Gamble, Roche Farmacêutica Brasil, Schneider Electric Brasil, Unilever, United Health Group, Vivo e WMcCann.

APOIO-SITE-PICPAY

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor e coordenador regional do Notícia Preta

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.