“Estou emocionalmente exausta”, diz jornalista chamada de “macaca” no Rio de Janeiro

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Cartazes colados em pontos de ônibus de São Pedro da Aldeia e Cabo Frio, ambos os municípios da Região dos Lagos, litoral do Rio de Janeiro, chamam a jornalista Renata Cristiane de Oliveira de “macaca”. Um dos cartazes estava colado ao lado de outro, que trazia uma mensagem motivacional. “A causa da violência mundial é a falta de Jesus Cristo no coração”

Renata Cristiane foi vítima de racismo novamente – Foto: Arquivo Pessoal

A profissional atual há mais de 20 anos na região e entidades de classe repudiaram os atos, que foram cometidos na sexta-feira (1). A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) publicaram notas nos sites e redes sociais.

“O Sindicato dos Jornalistas, além de lamentar, denunciar, combater, qualquer ato de violência, assédios, preconceito, homofóbico, racista, solicita as instituições públicas policiais e de Direitos Humanos, assim como a OAB, apoio para coibir tais atitudes abomináveis e punir os responsáveis. A jornalista Renata nossa total solidariedade!”, escreveu a FENAJ.

Em vídeo publicado em seu perfil do Instagram, Renata Cristiane publicou um vídeo mostrando os cartazes colados e lamentou o fato. “É desagradável, constrangedor, angustiante e dá vergonha, não só por essa situação, mas vergonha alheia, vergonha por mim, vergonha pelo Brasil. Estou emocionalmente exausta com tudo isso. É ataque de todo lado”, disse Oliveira.

Leia também: “Eu fiquei revoltada”, diz mãe da criança que morreu após um ano com prego no pulmão

Já a Abraji ressaltou que mulher negra e lésbica sempre sofreu discriminações sociais e lembra que faz o monitoramento de ataques a jornalistas no ambiente físico e nas redes sociais. O relatório de monitoramento dos ataques a jornalistas  com os dados de 2021 integra o Relatório Sombra da rede Voces del Sur, que reúne informações de 14 países da região. No Brasil, no ano passado, foi registrado um crescimento de 23,4% em relação a 2020, chegando-se a 454 registros de janeiro a dezembro de 2021. A Abraji também monitora ataques com viés de gênero.

Ela disse ainda que vai registrar o caso na delegacia após conselho das entidades.

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor do Notícia Preta.

1 Comment

  • Faço minhas as palavras de minha profissão, Renata Cristiane, vergonha, muita vergonha por um Brasil como esse, em pleno século XXI ainda hajam pensamentos ampla e totalmente preconceituosos. VERGONHA!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.