Carla Akotirene estrela campanha publicitária da Tresemmé

APOIE O NOTÍCIA PRETA
Carla Akotirene é uma das estrelas da campanha “Não foi por sorte, estou pronta” – Foto: Divulgação

A intelectual e autora do livro “O que é interseccionalidade” da coleção Feminismos Plurais, Carla Akotirene, estrelou na última segunda-feira (24), a nova peça publicitária da marca de produtos para o cabelo Tresemmé. A campanha intitulada “Não foi por sorte, estou pronta” é resultado de uma pesquisa feita pela empresa em parceria com o International Center for Research on Women (ICRW), em 2019, ouvindo mais de 5 mil mulheres entre 18 a 35 anos do Brasil, EUA e Reino Unido sobre O Poder da Presença, onde 71% das entrevistadas afirmaram que se sentiam mais confiantes com a Presença, mas somente 30% afirmam ter esse poder.

A missão da marca, de acordo com o próprio site, é “cabelo maravilhoso dá a você a confiança para conquistar o mundo. Porque, quando você está linda, se sente empoderada para ser o seu melhor” e foi inspirado nessa missão que a marca decidiu se posicionar e criar um espaço, virtual e na TV Aberta, para assegurar um espaço para as mulheres afirmarem suas conquistas. Sobre a estreia, a intelectual comentou em suas redes sociais: “seria ingratidão, encerrar a noite sem um brinde para todas as pessoas que, estruturalmente, resistem comigo na encruzilhada do racismo patriarcal capitalista às violências sistemáticas sobretudo contra Mulheres Negras”.

Leia também: Adolescente recebe apoio de artistas após ser alvo de racismo no TikTok

Além de Carla Akotirene outras mulheres estrelam o comercial, como a CEO do movimento Free Free, Yasmine Sterea, e Rita Carreira, modelo plus size. A marca chegou no Brasil em 2011, mas já está presente em mais de 13 países há pelo menos 60 anos. Ainda segundo Akotirene, sobre o comercial e reposicionamento da empresa “ao ver meu rosto reposicionado na TV, lembrei da pensadora Toni Morrison, pois todo mundo se sente mais limpo depois de deixar sua sujeira na gente, humilhar a nossa Escrevivência, como diz Conceição Evaristo, e ridicularizar os nossos cabelos, consequentemente a genialidade africana das nossas cabeças”, escreveu

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.