Luta por direitos de domésticas nos EUA leva brasileira a assumir cargo no governo Joe Biden

APOIE O NOTÍCIA PRETA
Credito: Reprodução/Instagram

Natalicia Tracy, brasileira que trabalhava nos Estados Unidos como doméstica em situação análoga a escravidão, assumiu cargo no atual governo americano. Ela foi nomeada conselheira sênior para a Agência de Saúde e Segurança Ocupacional (Osha, sigla em inglês) do Departamento de Trabalho do governo do democrata Joe Biden. 

Natalice é PhD em Sociologia com um estudo sobre imigração, raça, família e classe, e é professora da Universidade de Massachusetts, em Boston. Ela tem ainda especialidade nas áreas de política migratória, social e estudos do trabalho. O convite para o trabalho na Osha veio de um representante da Casa Branca que conhece a experiência pessoal, profissional e acadêmica de Tracy. Ela ainda não pode dar mais detalhes em relação às atividades que vai realizar no cargo, porém está ligada a temas que já trabalha e conhece.

Tracy também foi líder de movimentos trabalhistas, de imigrantes, e promotora de legislações voltadas para essas comunidades. Ela começou como voluntária no Centro do Trabalhador Brasileiro no ano de 2006 e em 2010 se tornou Diretora Executiva do grupo. Também teve participação na construção e aprovação de uma das legislações estaduais sobre trabalho doméstico mais importantes dos Estados Unidos. Esse currículo deu a ela encontros com políticos democratas a exemplo do ex-presidente americano Barack Obama e a senadora Elizabeth Warren.

Natalicia Tracy foi trabalhar nos Estados Unidos em 1989, com 19 anos de idade, na casa de uma família brasileira que foi morar em Boston. As atividades que desempenhava ia de cuidar de uma criança de dois anos a tarefas domésticas da casa, com uma jornada de trabalho de 17 horas, das seis da manhã às onze da noite. 

Leia também: Gil do Vigor embarca para PhD nos Estados Unidos: ‘vamos simbora que agora é a vitória do servo’

Em uma entrevista para a BBC News Brasil, ela detalhou sua situação quando foi morar nos EUA, “o lugar onde dormia era uma varanda fechada com cimento grosso no chão, e de acordo com as leis trabalhistas dos Estados Unidos, eu estava num trabalho considerado escravo”, disse ela. Quando a família brasileira foi embora ela decidiu ficar no país, casou-se com um americano, e logo depois começou a estudar, graduando-se em psicologia e sociologia, e formando-se mestre pela Universidade de Massachusetts; hoje é PhD.

APOIO-SITE-PICPAY

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.