Arroz e feijão: prato tem maior alta dos últimos 8 anos, segundo FGV

APOIE O NOTÍCIA PRETA

O prato característico do dia a dia dos brasileiros, o arroz e o feijão, nunca esteve tão caro, é o que revela um levantamento realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), com base nos preços praticados no varejo dentro dos Índices Gerais de Preços (IGPs).

Nos últimos 12 meses, a dupla acumula alta de mais de 10% – Foto: Reprodução

Ao todo, a dupla arroz e feijão acumula uma alta de mais de 10% nos últimos 12 meses. Segundo o economista da FGV, André Braz, no período analisado, os últimos 16 meses, a alta ficou acima dos dois dígitos e é o mais longo período desde 2012, quando do início do acompanhamento. “O atual cenário é preocupante. A permanência de arroz e feijão mais caros durante tanto tempo afasta esses produtos de forma contínua da mesa do consumidor, principalmente entre os mais pobres“, afirmou em entrevista ao Valor Econômico.

Leia também: ‘Nada está tão ruim que não possa piorar’, diz Bolsonaro sobre inflação e dólar elevados

Braz ressalta ainda que, somado ao preço elevados do arroz e feijão, o brasileiro encontra outro problema na hora da alimentação, que é o vir elevado do gás de cozinha. Ainda de acordo com o economista, de abril de 2020 a agosto de 2021, o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) acumula alta de 29,02% no varejo. “Na pesquisa, foi encontrado um preço médio de R$93,47 do botijão de 13 kg de GLP, até o dia 1º de agosto. Maior patamar da série histórica, desde 2004, disponibilizado pela Agência Nacional de Petróleo“, comenta.

“E quem mais sente essa alta do arroz, feijão e gás são os mais pobres”, conclui.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.