Agente penitenciário atira em adolescente de 16 anos e advogado afirma: “foi em legítima defesa”

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Menino foi assassinado no último final de semana com tiro na nuca enquanto estava com amigos

Josué Nogueira assassinado por policial militar – Foto: arquivo pessoal

Por Victória Henrique

No último sábado (19), o adolescente Josué Nogueira foi vítima de um tiro na nuca, disparado por um agente penitenciário, em Montes Claros (MG). De acordo com a mãe de Josué,  Ronilda Teixeira, a versão apresentada pelo advogado do agente é que “se fala em pedras e garrafas arremessadas contra a casa dele”, mas é contestada pela família. Nesta segunda-feira (20), o policial foi solto, depois da declaração do seu advogado, Warlen Freire Barbosa, que alega que seu cliente teria “agido em legítima defesa”.

Entenda o caso

Ainda segundo Ronilda, o filho foi à casa de uma amiga, que fica próxima à residência do agente. Ainda perto do local, Josué Nogueira se juntou com um grupo de amigos que foi acusado pelo agente de estar fazendo muito barulho.

De acordo com o depoimento dado pela mãe de Josué, o servidor público ameaçou os garotos com a arma, ao mesmo tempo que mandava fazerem silêncio. Ainda segundo Ronilda, o grupo se dispersava enquanto o policial corria em direção aos meninos e Josué voltou para pegar a sandália que teria perdido na confusão. No momento que retornou, levou um tiro na nuca. “Foi à queima roupa”, afirmou a mãe.

Histórico do agente

A família de Josué, que já conhecia o agente, conta que ele tinha comportamentos violentos e utilizava o fato de portar uma arma para realizar ameaças. Em algumas situações, já teria atirado em placas, principalmente alcoolizado, declara a mãe de Josué, que pensou em suicídio após morte do filho. 

Comentários Racistas

Ellen Teixeira, a tia do menor, comentou ter se deparado com comentários racistas após a morte do sobrinho e afirmou que se fosse uma pessoa branca não teria acontecido o mesmo. Imagens dos comentários publicados pelo portal G1 demonstram ataques como “Quem procura acha” e “Com certeza não estava indo para escola ou igreja essa hora da madrugada”. 

Um dos cometários no post sobre o assassinato de Josué – Foto: Reprodução internet
APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.