“O que vem depois da guerra?”, questionam estudantes africanos que saíram da Ucrânia

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Via Reuters

Nkateko Muyimane e seis colegas estudantes africanos se esconderam em um metrô enquanto os projéteis russos batiam em Kharkiv, antes de fugir em um trem para Budapeste que quase não conseguiram embarcar.

Nkateko Muyimane, estudante de medicina que estudava na Ucrânia antes da guerra, durante sua entrevista à Reuters em Joanesburgo, África do Sul, 18 de março de 2022. REUTERS/Shafiek Tassiem

Agora sua principal preocupação é como salvar os graus que eles sacrificaram tanto para começar.

Leia também: Pelo menos cinco mortos em ataque a base militar na Somália

A sul-africana Muyimane, 24, e a colega de classe Mandisa Malindisa, 25, estavam estudando medicina faltando um ano para se formar. Dizem que não há mais universidade.

Foi bombardeado e transformado em escombros“, disse Muyimane no apartamento de seu irmão em um subúrbio do norte de Joanesburgo. “Mesmo que continuemos online, a medicina é prática: você precisa estar fisicamente lá com o paciente.”

Eles estão entre dezenas de milhares de estudantes africanos cujos estudos foram apoiados pela guerra da Rússia contra seu vizinho, muitos dos quais foram atraídos para as instalações educacionais de classe mundial da Ucrânia disponíveis a uma fração do custo das universidades ocidentais.

A história da Ucrânia de atrair africanos para suas academias remonta à Guerra Fria, quando estados soviéticos cortejaram estudantes de nações africanas recém-independentes com a promessa de uma educação subsidiada.

Como muitos pais, a mãe de Malindisa, uma enfermeira, e um pai, um engenheiro civil, apertaram seus cintos, salvaram e emprestaram para colocá-la na Universidade Nacional De Medicina kharkiv da Ucrânia.

Foi um grande sacrifício pelas taxas escolares e pelo apartamento que ela estava alugando”, disse sua mãe Zandile à Reuters.

A ansiedade de Malindisa sobre perder sua qualificação, depois de tudo o que seus pais haviam investido, a manteve na Ucrânia, mas à medida que a guerra se aproximava, ela decidiu voar para fora em vez de arriscar ficar.

Sua mãe reservou seus três bilhetes; Todos foram cancelados. Ela, Muyimane e os outros cinco colegas africanos suportaram dias de bombardeios antes de fugirem para a estação Pivdennyi Vokzal. Lá, eles disseram, eles tiveram que lutar para entrar em um trem, incluindo contra um passageiro que mordeu um deles para tentar impedi-la de embarcar.

Comparado com esse horror, encontrar uma nova escola para ela parece menos assustador.

Eu não perdi a esperança“, disse Zandile. “Algo virá para ela.”

Opção on line

Malindisa se preocupa que ela não tenha certificado para mostrar às universidades prospectivas o que ela conseguiu – obter suas transcrições do que é agora uma zona de guerra não vai ser fácil.

Seus medos são compartilhados por muitos estudantes que retornaram da Ucrânia nas últimas semanas.

A mãe de Muyimane é médica, e ela tinha orgulho de ter um filho seguindo seus passos, disse ele, acrescentando: “Eu tenho que fazer um plano: medicina é meu sonho”.

Em sua casa na capital de Gana, em 5 de março, a estudante de medicina Maame Akousa Addo, de 23 anos, estava sobre duas pequenas mochilas contendo as poucas coisas que ela conseguiu trazer de volta com ela para Accra e se perguntou se ela seria capaz de voltar após a guerra.

Estamos apenas esperando notícias de nossas escolas”, disse ela. “Para ver se eles vão estabelecer uma espécie de opção on-line.”

Para o estudante nigeriano Joshua Adebowale, 32, a esperança é que as coisas se acalmem em breve para que ele possa voltar para a Universidade Médica de Kyiv, que seus pais e irmãos estavam pagando. “Caso contrário, serão desperdiçados anos e dinheiro“, disse ele.

Mas para o compatriota Jasper Ahamefula, 19 anos, que tinha acabado de iniciar um curso de estudos de negócios, um diploma não parece mais uma opção. Ele planeja tentar começar um negócio, adaptando talvez, sem qualificação.

Não importa“, disse ele. “Meus pais, sim, é um investimento perdido, mas eles se importam que eu esteja vivo. Isso é ótimo, eu acho“.

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.