No dia da votação do voto impresso, Palácio do Planalto coloca Carros blindados, aeronaves e lança mísseis na rua

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Nesta segunda-feira (09), a Marinha do Brasil informou, em comunicado oficial, que, pela manhã de terça-feira (10), um “comboio com veículos blindados, armamentos e outros meios da Força de Fuzileiros da Esquadra, que partiu do Rio de Janeiro, passará por Brasília, a caminho do Campo de Instrução de Formosa (CIF)”. O comunicado sugere que o comboio passará em frente ao Palácio do Planalto, que fica na Praça dos Três Poderes, junto com o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF).

 (crédito: Tasso Marcelo/AFP




)
Foto: Tasso Marcelo/AFP

O motivo do desfile com 150 carros blindados, aeronaves, lançadores de mísseis e foguetes é para entregar ao Presidente da República, Jair Bolsonaro, e ao Ministro da Defesa, Walter Souza Braga Netto, os convites para comparecerem à Demonstração Operativa, que correrá no dia 16 de agosto.

“A Operação Formosa tem o propósito principal de assegurar o preparo do Corpo de Fuzileiros Navais como força estratégica, de pronto emprego e de caráter anfíbio e expedicionário, conforme previsto na Estratégia Nacional de Defesa”, disse a Marinha em nota.

Interlocutores da cúpula do Exército classificam o desfile de blindados que a Marinha irá realizar ato como “totalmente inusitado”. “É a primeira vez que vemos isso. Da parte do Exército, ninguém participará. É totalmente inusitado. Coisa da Marinha com o Braga Netto”, disse um militar para o Veja.

Leia também: Antropóloga encontra carta de Bolsonaro em site neonazista

A exibição de blindados na Praça dos Três Poderes, em plena terça-feira, é o segundo movimento de exibição de força protagonizado por Braga Netto neste mês. Assim como o desfile militar irá ocorrer no mesmo dia em que a Câmara dos Deputados deve votar uma proposta de emenda constitucional (PEC), que busca implementar o voto impresso nas eleições de 2022.

A tentativa de demonstração de força do Palácio do Planalto faz lembrar o último ato público intimidatório da ditadura militar, de acordo com matéria de O Globo. Em 23 de abril de 1984, dois dias antes da votação da Emenda Dante de Oliveira que, se aprovada, reestabeleceria as eleições diretas para presidente, o Comandante-Militar do Planalto, general Newton Cruz, desfilou pela Esplanada dos Ministérios montado num cavalo branco. O ato chefiava um ameaçador comboio de seis mil militares e 116 tanques e carros de combate.

APOIO-SITE-PICPAY

1 Comment

  • Guilherme Nery

    (10/08/2021 - 11:50)

    Parabéns ao desfile! Talvez assim o STF veja que não os donos do Brasil e não fazem o que bem entendem no país, e que ainda tem um Presidente da Republica.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.