Nigéria julgará líder separatista Kanu sob acusação de terrorismo

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Via Reuters

O líder separatista da Nigéria, Nnamdi Kanu, deve ser julgado e responder a acusações que incluem terrorismo e difusão de falsidades, decidiu um juiz da Suprema Corte nesta sexta-feira.

O líder do Povo Indígena de Biafra (IPOB), Nnamdi Kanu, é visto no tribunal federal de Abuja, Nigéria, em 20 de janeiro de 2016. REUTERS/Afolabi Sotunde/Foto de arquivo

Kanu, um cidadão britânico que lidera os banidos Povos Indígenas de Biafra (IPOB), nega todas as acusações, que estão ligadas às transmissões que fez entre 2018 e o ano passado.

Leia também: Por 25 centavos por dia, escola nigeriana dá chance para estudantes na educação científica

Um juiz na sexta-feira decidiu que Kanu será julgado por sete acusações de terrorismo de 15, e desistiu de oito das acusações que o governo apresentou contra o líder do IPOB.

A audiência foi realizada na câmera. Um juiz do tribunal federal decidiu na quinta-feira que todos os julgamentos de casos de terrorismo na Nigéria serão realizados a partir de agora na câmara. 

Separadamente, o principal advogado de Kanu, Mike Ozekhome, disse na quinta-feira que Kanu não pode ser julgado sob acusações de terrorismo e conscientemente transmitindo falsidades porque ele não foi extraditado do Quênia com base nessas acusações. 

O alto comissário queniano negou o envolvimento de seu país. Kanu desapareceu da Nigéria depois de pular a fiança em 2017. Ele foi preso depois de anos foragido.

O IPOB, que Kanu fundou em 2014, está pressionando pela secessão de uma parte do sudeste da Nigéria, onde a maioria da população pertence ao grupo étnico Igbo. As autoridades veem o IPOB como um grupo terrorista. O IPOB diz que quer acarar a independência por meios não violentos.

Uma tentativa dos separatistas Igbo de se separarem como República de Biafra em 1967 – o ano em que Kanu nasceu – desencadeou uma guerra civil de três anos que matou mais de 1 milhão de pessoas.

IPOB, ordenou que Igbos, no sudeste, “se sente em casa”, uma forma de desobediência civil para mostrar solidariedade com Kanu desde sua prisão e julgamentos em Abuja, incapacitando pequenas empresas e outras atividades econômicas.

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.