Mesmo depois de notificados, Canais bolsonaristas aproveitam brechas para continuar no ar

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Alguns canais no YouTube de defensores do presidente Jair Bolsonaro (PL), que já foram notificados por desinformação sobre a Covid-19, aproveitam brechas na própria política da plataforma para continuarem disseminando fake news. É o que diz um levantamento da consultoria Novelo Data, em parceria com o Jornal O Globo, e publicada nesta segunda-feira (28).

Flávio Bolsonaro, Silas Malafaia e Jair Bolsonaro durante Live – Foto: Reprodução/Facebook

De acordo com o levantamento, o senador Flávio Bolsonaro (PL/RJ) e o pastor Silas Malafaia, já foram bloqueados pelo YouTube para novas postagens, inclusive com vídeos removidos da plataforma, mas continuam publicando conteúdos. Ainda segundo a consultoria, Flávio Bolsonaro teve quatro vídeos retirados do ar, entre julho de 2020 e dezembro de 2021. Desses, pelo menos três falavam sobre Covid-19, violando a política do YouTube.

Leia também: Desemprego ainda atinge 12 milhões de brasileiros, afirma IBGE 

Em relação ao pastor Silas Malafaia, que também teve quatro vídeos removidos do YouTube, as duas últimas exclusões ocorreram no início de 2022, dias 12 e 13 de janeiro, devido a ataques à vacinação infantil. Em ambos os casos, o YouTube, procurado pela Novelo, não informou qual o critério para manter os canais ainda ativos e sem bloqueios para inclusão de novos conteúdos.

Ao todo, a consultoria mapeou 41 vídeos tirados do ar nos últimos 90 dias e 33 são perfis bolsonaristas e 22 tratavam de ataques ou desinformação sobre a Covid-19. A Novelo indica que outros cinco canais bolsonaristas correm risco de serem bloqueados ou retirados do ar pela plataforma. São eles: os médicos médicos Albert e Carla Dickson, defensores do uso de ivermectina; a também médica Roberta Lacerda, que já teve seu perfil excluído do Twitter por compartilhar mensagens falsas sobre a vacina contra a Covid-19;  o canal bolsonarista Folha Política, que teve dois vídeos excluídos no fim de dezembro e o próprio presidente Jair Bolsonaro, que ficou impedido de publicar por sete dias.

APOIO-SITE-PICPAY

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.