Média de idade dos mortos na ação da polícia na Vila Cruzeiro é de 28 anos

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Pelo menos 22 pessoas morreram durante uma operação da Polícia Militar na Vila Cruzeiro, na Penha, Zona Norte do Rio, nesta terça-feira (24). Um ponto em comum entre os assassinados: todos os divulgados até agora pela polícia são homens. A única mulher é Gabrielle Ferreira da Cunha, uma moradora, vítima de bala perdida atingida dentro de casa.

Segundo a PM a ação tinha por objetivo era prender chefes do Comando Vermelho escondidos na Vila Cruzeiro, mas nenhum foi preso. Ainda de acordo com a polícia, a ação estava sendo planejada há meses, mas foi deflagrada de modo emergencial para impedir uma suposta migração para a Rocinha. Agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) teriam sido atacados a tiros quando iniciavam a “operação emergencial” na comunidade.

A polícia diz que lideranças da facção em outras favelas do Rio — como Jacarezinho, Mangueira, Providência e Salgueiro (São Gonçalo) — e até de estados do Norte e do Nordeste também estão abrigados na Penha.

Esta é a segunda operação mais letal da cidade, ficando apenas atrás da Chacina do Jacarezinho, em maio de 2021, onde 28 pessoas morreram.

Quem são os assassinados na Vila Cruzeiro

A polícia divulgou uma lista com alguns dos nomes, destacando os mortos que tinham antecedentes criminais, um argumento que não justifica a execução. Ainda segundo a corporação as vítimas teriam morrido em conforto, o que ainda não foi confirmado pois a perícia não foi realizada até o momento. O G1 divulgou as fotos das vítimas e suas idades.

Identificação de mortos na Vila Cruzeiro — Foto: Arte/g1
Helicóptero blindado da PM sobrevoa a Vila Cruzeiro — Foto: Reprodução/TV Globo
Helicóptero blindado da PM sobrevoa a Vila Cruzeiro — Foto: Reprodução/TV Globo

Entidades de defesa dos direitos humanos criticaram a operação

“Essas operações policiais em favelas colocam em risco a vida de toda a população, impedem o funcionamento de serviços públicos e do comércio, inviabilizam a saída de milhares de pessoas para trabalhar e estudar, gastam rios de dinheiro e não resolvem absolutamente nenhum problema de segurança”, diz o o ouvidor-geral da Defensoria Pública do Rio de Janeiro, Guilherme Pimentel.

Outras vinte e uma entidades e políticos – entre eles a Anistia Internacional, o Observatório das FavelasInstituto Marielle Franco e a deputada Dani Monteiro (Psol), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alerj, assinaram uma nota conjunta pedindo o “cessar fogo imediato” na Vila Cruzeiro.

‘As organizações e movimentos vêm recebendo preocupantes relatos de familiares em desespero, em busca de notícias por entes ainda desaparecidos. Há notícias de que corpos de vítimas e potenciais feridos se encontram na região da mata, divisa entre o Complexo da Penha e do Alemão, e que mães e familiares estariam mobilizados a adentrar o local em meio ao tiroteio no desespero de localizar seus parentes. Ativistas de direitos humanos também estão no meio do fogo cruzado, sendo ameaçados por agentes de segurança que estão no local impedindo a retirada de novas vítimas e reprimindo a manifestação de moradores da área’

diz um trecho do texto.
APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, fundadora e CEO do portal Notícia Preta e podcaster do Canal Futura. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

4 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.