Manifestante sudanês é morto durante protesto contra golpe militar e crise econômica

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Via Reuters

Um manifestante foi baleado e morto na cidade sudanesa de Madani na quinta-feira (24), disseram os médicos, enquanto manifestantes marchavam pelo país para protestar contra um golpe militar que foi seguido por uma forte crise econômica.

Manifestantes sudanesas estão em frente a um incêndio durante uma manifestação contra o golpe militar, no Dia Internacional da Mulher, em Cartum, Sudão, 8 de março de 2022. REUTERS/El Tayeb Siddig/Foto de arquivo

O homem de 28 anos é um dos 90 manifestantes mortos pelas forças de segurança, de acordo com o Comitê Central de Médicos do Sudão, mas um dos poucos relatados fora da capital desde o início dos protestos em outubro.

Leia também: O Sudão e seus anos de ouro no futebol

Enquanto isso, na capital Cartum, milhares marcharam em direção ao palácio presidencial do país, mas enfrentaram tiros, bem como gás lacrimogêneo das forças de segurança, manifestantes e dos comitês de resistência que organizam a marcha na quinta-feira.

Um repórter da Reuters relatou várias pessoas sendo levadas sangrando. Líderes militares dizem que os manifestantes têm o direito de se manifestar pacificamente e que os responsáveis pelas mortes pertencentes às forças de segurança ou de outra forma serão levados à justiça.

Outros protestos em cidades como Atbara, Gadaref, Nyala e Sinja foram vistos em imagens das redes sociais. “Viemos hoje para exigir uma vida melhor para o povo sudanês e o fim do sofrimento econômico e da opressão”, disse o estudante Malak Yousif, de 18 anos. “Vamos continuar e não vamos desistir”, acrescentou.

A moeda do Sudão perdeu mais de um terço de seu valor desde o golpe, elevando rapidamente os preços dos combustíveis, alimentos e outros bens, e caiu ainda mais no mercado paralelo. Em resposta, a agência de notícias estatal SUNA disse que o banco central depositaria moeda forte em bancos locais durante três semanas, depois de receber depósitos de países do Golfo.

No entanto, a SUNA não forneceu detalhes ou quantias e fontes familiarizadas com o assunto disseram à Reuters, no início desta semana, que não havia indicação de nenhum depósito estrangeiro até agora. A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos não se declararam sobre o assunto.

Os militares dizem que o golpe foi um corretivo necessário para problemas políticos e econômicos. Os manifestantes exigem a entrega do poder a um governo totalmente civil.

APOIO-SITE-PICPAY

Wellington Andrade

Jornalista formado pela FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) e pedagogo pela UERJ. Atualmente escreve para o Portal Notícia Preta e atua no segmento de assessoria de imprensa em parceria com a agência Angel Comunicação. Possui passagens por diferentes veículos como repórter, produtor e apurador, dentre eles TVs Record, SBT e Rede Vida de Televisão, além das rádios Bicuda FM, Nativa FM, Tupi AM e FM, Revista Ziriguidum Nota 10 e no portal especializado em Carnaval SRZD, do jornalista Sidney Rezende. Instagram: @reporterwellingtonandrade

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.