Dos 652 municípios que serão comandados por mulheres, apenas 10 têm prefeitas pretas

APOIE O NOTÍCIA PRETA
Suéllen Rosim (Patriota) foi eleita prefeita de Bauru (SP) – Foto: Reprodução/Redes Sociais

Nas eleições municipais deste ano, 652 mulheres foram eleitas prefeitas, o que representa 12% dos municípios do país. Destas, 32% são negras, sendo 199 pardas e apenas 10 autodeclaradas pretas. Em 264 cidades, pela primeira vez neste século, uma mulher foi eleita prefeita e 98% delas contam com menos de 100 mil habitantes. Deste total, 83 são autodeclaradas pardas e 5 pretas. 

Para a cientista política, especialista em cultura afro-brasileira e comunicação política, Juliana Silva, existe uma necessidade de políticas afirmativas segmentadas, uma vez que mulheres negras e brancas têm oportunidades diferentes. “Mulheres brancas sofrem discriminação. Mulheres negras sofrem discriminação. Mas sabemos que mulheres negras sofrem discriminação elevada à terceira potência. Além disso, pela trajetória histórica, estão nas classes mais baixas e, muitas vezes, à margem da sociedade. Nem sequer tem conhecimento político porque está muito ocupada lutando para sobreviver e fazer seus filhos sobreviverem. Então, é uma construção”, afirmou. 

Ataques e ameaças

Mesmo eleita por um partido considerado de direita, em Bauru (SP), a jornalista Suéllen Rosim (Patriota) sofreu ataques racistas e ameaças de morte. A Polícia Civil disse ter identificado autor das ofensas racistas postadas nas redes sociais e, segundo o delegado Eduardo Herrera dos Santos, o suspeito é um homem negro de 37 anos que queria “despertar uma discussão”. Após depoimento o autor, que não teve sua identidade revelada, foi liberado. Ele é investigado pelo crime de injúria.

Investimento em Educação

Juliana ressalta que o investimento em educação ainda é a melhor saída para acabar, ou pelo menos minimizar, esse “abismo” entre mulheres negras e homens brancos. “Como longo prazo, precisa investir em educação pública de qualidade e antirracista. Como médio prazo precisa segmentar ainda mais a política de cotas. Para além dos 30% para mulheres, precisamos enfatizar a mulher negra justamente por ter especificidades diferentes e dificuldades maiores. Por ter especificidades diferentes é que foi criado o feminismo negro. E para reparar tanto a raça quanto o gênero, precisamos segmentar as políticas para mulheres negras. Para este público, apenas políticas raciais não resolvem, assim como apenas políticas de gênero não resolvem. Precisamos de políticas com recorte de gênero e raça e não gênero ou raça”, finalizou. 

Ao todo, o Brasil tem 5.568 municípios e 60% nunca tiveram uma prefeita à frente do executivo municipal. Das 383 prefeitas que tentaram a reeleição, 32% conseguiram. 

APOIO-SITE-PICPAY

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor e coordenador regional do Notícia Preta

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.