Completando um mês de prisão dos jovens de Diadema, MP de São Paulo pede revisão das imagens

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Um mês após a prisão dos jovens Luiz, de 24 anos, e Gustavo, de 19, o Ministério Público de São Paulo (MP-PS) pediu a revisão das imagens da reportagem da TV Record, para avaliar o caso. No processo, o MP questiona as imagens e alega que houve edição. “Qual matéria de TV não tem edição? Essa manobra vai retardar o processo, vai fazer os meninos ficarem mais e mais tempo detidos. Imagina ter que pegar o material bruto da Record, ter que citar a emissora. Isso é um absurdo”, disse Isabela Alves, prima dos jovens em vídeos publicados nos stories do Instagram.

Os irmãos foram presos sem confirmação do envolvimento nos crimes – Foto: Reprodução TV Record

Ainda segundo Isabella, a promotora Patrícia Linn fez um pedido “absurdo”. Além disso, ela questiona a idoneidade das testemunhas do caso. “Você vê as testemunhas do caso: policiais que prenderam os meninos, as vítimas dos furtos, mas quem vão ser as testemunhas dos dois meninos pretos, inocentes que foram presos? O sistema judiciário chega a ser bizarro”, comenta.

Leia também: 61% das vítimas de racismo no trabalho não denunciam por medo, afirma pesquisa 

Os irmãos foram presos no dia 1º de março, suspeitos de cometerem dois furtos em Diadema e São Bernardo do Campo, ambas na Região do ABCD Paulista. No entanto, no dia e horário dos furtos, ambos estavam em um bar, comemorando o aniversário de um amigo, com o pai deles, Luiz César. “Eles não saíram de perto de mim, só atravessaram a rua pra fumar, foi quando os policiais abordaram os dois”, relata o pai dos jovens.

Imagens de sistema de segurança confirmaram que os dois estavam longe dos locais dos crimes. Além disso, Gustavo, de 19 anos, não sabe dirigir, o que impossibilitaria o segundo furto, que os criminosos saíram dirigindo o Voyage prata, em São Bernardo do Campo.

Thalita Borges, irmã dos dois jovens ressalta que, mesmo com evidências da inocência dos dois, a justiça os mantém presos, e revela a falta que fazem em casa. “Eu entro no nosso quarto, onde a gente morou a vida inteira e não ver eles ali, só ver a cama arrumada, desde o dia que eles foram presos, dói demais”, afirma em entrevista à TV Record.

APOIO-SITE-PICPAY

Igor Rocha

Igor Rocha é jornalista, nascido e criado no Cantinho do Céu, com ampla experiência em assessoria de comunicação e escritor nas horas vagas. Editor e coordenador regional do Notícia Preta

2 Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.