Comissão da Verdade lança Mapa Colaborativo de resistência Afro gaúcha

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Uma iniciativa da Ordem dos Advogados do Brasil (RS)

Mapa explicativo dos locais de movimentos negros no RS – Foto: Imagem internet

Para que as lembranças negras não sejam esquecidas, a Comissão da Verdade Sobre Escravidão Negra (CVEN) lançou o Mapa Colaborativo dos Lugares de Memória e Resistência Afrogaúcha. O intuito é demonstrar, através de pontos históricos e turísticos, locais de referência negra no Estado. 
O projeto teve início em 2016, com uma compilação de dados, porém só foi disponibilizado em 2018, em alusão aos 130 anos da abolição e 30 da Constituição Federal. 

Para o advogado e vice-presidente da CVEN, Domingos Oscar Soares Luz, a ação é essencial em um Estado onde 16% dos habitantes são autodeclarados negros, de acordo com o IBGE. “Eis que aqui no sul ainda há o mito de haver poucos negros e a história gaúcha não fala da importância dele na construção do Rio Grande do Sul”, explicou. 

Domingos Oscar é vice presidente da Comissão no Rio Grande do Sul – Foto: Divulgação

Ainda segundo Domingos, a ideia é do mapa é, em um futuro próximo, construir um museu a céu aberto sobre o negro no Rio Grande do Sul, onde as pessoas passam a visitar pessoalmente. O catálogo foi construído através de dados e fatos reais, que podem ser checados no Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul e na Biblioteca Virtual da CVEN. “Para servir de ponto de referência, sobre os clubes sociais negros, blocos e escolas de carnaval, terreiros, marco histórico de pontos da revolução farrapa e o massa de Porongos”, finalizou o vice-presidente.

APOIO-SITE-PICPAY

Ariel Freitas

Jornalista, escritor, rapper e ativista. Criado nos becos estreitos da Vila Estrutural e pelas esquinas do Morro Santana, ambos localizados na zona norte de Porto Alegre. Aos 16 anos, Ariel Freitas era campeão de freestyle na maior batalha do estado do Rio Grande do Sul, a famosa Batalha do Mercado. Atualmente, Ariel Freitas escreve sobre os impactos do racismo na Capital da desigualdade racial. Uma Porto nem tão Alegre assim.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.