Carol Dartora, vereadora eleita em Curitiba, recebe ameaça de morte: “Macaca fedorenta. Vou te matar”

APOIE O NOTÍCIA PRETA

Neste domingo (06), a vereadora eleita em Curitiba,  Carol Dartora (PT) , compartilhou em suas redes sociais a ameaça de morte que recebeu por e-mail.

Eu juro que vou comprar uma pistola 9 mm no Morro do Engenho aqui no Rio de Janeiro e uma passagem só de ida pra Curitiba e vou te matar“, disse o homem que assina como Ricardo Wagner Arouxa. Nas ameaças ele também chamou a futura parlamentar de “macaca fedorenta” e “aberração”.

Carol Dartora comentou em seu Twitter: “Acabo de receber ameaças de morte. As autoridades já foram contatadas e todas as providências estão sendo tomadas para que seja garantida minha segurança e da minha equipe. Eles combinaram de nos matar, combinamos de ocupar tudo“.

Nota à imprensa

Da série “não existe racismo em Curitiba” e a dois dias de completar 1000 dias da morte de Marielle, os ataques por ocuparmos espaços que deveriam ser nossos se intensificam. 

Desde o dia 15 de novembro, quando me tornei a primeira vereadora negra da cidade de Curitiba e também a terceira mais votada no pleito deste ano, com 8874 votos, venho recebendo ataques baseados em intolerância e indignação por parte daqueles que nos desumanizam e roubam nosso direito de ter voz e disputar os espaços de poder.

De todos os ataques o que mais me assustou foi o que recebi ontem (conforme cópia do e-mail recebido em anexo), da mesma autoria dos proferidos à Vereadora mais votada de Belo Horizonte, Duda Salabert, o que me faz crer que este ódio por negros e negras, LGBTI+ e mulheres, que em 2020 mexeram com as estruturas da sociedade disputando o poder, são coordenados.

Querem nos silenciar antes mesmo de tomarmos posse. Querem diminuir nossa grito por liberdade e justiça. Porém sigo ainda mais resoluta a lutar por um mundo onde todos e todas tenham direito e acesso a igualdade e dignidade.

Mas para que isso seja possível, é inadmissível que falas como a do Prefeito Rafael Greca, pronunciadas ontem em entrevista a Globo News sejam aceitas. Negar o racismo que permeia toda nossa sociedade chancela atitudes como essas, normaliza a violência e invisibiliza nossa luta. Não queremos mais casos como o da Marielle. Não queremos mártires. Queremos fazer política e lutar por um presente e futuro melhores.

No mais, já entramos em contato com as autoridades competentes. O Delegado Pedro Felipe do 1° Distrito Policial de Curitiba em parceria com o NUCIBER (Núcleo de Combate aos Cibercrimes) estão acompanhando o caso. Torcemos para a solução rápida do crime e que os criminosos sejam devidamente encontrados e julgados segundo o devido processo legal. 

Combinaram de nos matar, mas nós combinamos de ocupar todos os espaços, inclusive a Câmara Municipal de Curitiba! Sigo com determinação para fazer o que me foi designado enquanto representante do povo. Não vão nos calar. Estarei lutando firme e forte ao lado da população curitibana que depositou em nosso mandato toda a esperança de uma cidade mais igualitária, sem ódio e violência.

Racistas e fascistas não passarão!

Carol Dartora

06 de dezembro de 2020.

APOIO-SITE-PICPAY

Thais Bernardes

Formada em jornalismo pelo Institut français de Presse-Université Panthéon-Assas, em Paris e com especialização em audiovisual pelo Institut Pratique de Journalisme (IPJ), também na França, Thais Bernardes é jornalista, assessora de imprensa e idealizadora do portal Notícia Preta, um site de jornalismo colaborativo. Antes de concluir seus estudos na Europa, Thais cursou Relações Públicas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde ingressou através do sistema de cotas. Após atuar como produtora no canal de TV France 2, em Paris, foi repórter no Jornal Extra, na rádio BandNewsFM e coordenadora de Comunicação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos do Rio. Em novembro de 2018 a jornalista decidiu criar o portal Notícia Preta como forma de combater, através do jornalismo, o racismo e as desigualdades sociais.

1 Comment

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.