A tradição das tias na formação do samba do Rio de Janeiro

Por: Angélica Ferrarez de Almeida – Historiadora

Minha avó foi uma dessas mulheres baianas que mudaram a forma de pensar e de agir do povo escravo que veio para o Brasil em navios negreiros e, após a Lei do Ventre Livre e a própria Lei Áurea, manteve suas tradições, seus deuses e seus costumes em nosso país. (Silva, 2009: 17).

Tia Ciata e Tia Hilária

Com estas palavras Yara da Silva, neta de Tia Carmem, abre seu livro Tia Carmem: negra tradição da Praça Onze aos leitores que desejam vislumbrar um pouco do universo de Carmem Teixeira da Conceição, mais conhecida como Tia Carmem do Xibuca. Sendo um dos poucos registros sobre as tias, faz deste uma singela homenagem num exercício afetivo e político de memória e história.

Tia Carmem do Xibuca nasceu em 1878 em Amaralina na Bahia, veio para o Rio de Janeiro indo morar na rua Senador Pompeu, Zona Portuária. Recebeu o apelido de Xibuca, após casar-se com Manoel Teixeira com quem teve 22 filhos. Adepta das religiões de matriz africana, filha do orixá feminino Osum, ela era rezadeira, quituteira e vendia seus doces no tabuleiro na Lapa, Campo de Santana e Praça Tiradentes. Relatam-na como uma mulher muito festeira que saía em vários ranchos carnavalescos, cantando sempre nos sambas do quintal de sua casa e das casas das amigas, as famosas Tia Ciata e Tia Bebiana, por exemplo.

Inventando junto a estas outras a tradição das tias. Sendo elas lideranças religiosas e culturais de suas comunidades, era em suas casas, e mais especificamente nos seus quintais, que ocorriam as cerimonias religiosas seguidas das rodas de samba.

As tias são mulheres mais velhas, em sua maioria, negras, e que se reconhecem e são reconhecidas por serem detentoras de um saber-fazer que remonta a herança africana na cidade. Existe no ser tia algo de místico e religioso, mas também de poder e político, que faz com que elas sejam legítimas ao ponto de, segundo citação anterior: “mudar a forma de pensar e de agir do povo escravo que veio para o Brasil em navios negreiros…”.

Progenitoras, líderes, rezadeiras, cozinheiras, sambistas, quituteiras, quitandeiras, organizadas, conscientizadas, mães de santo, estas tias manipulam tantos códigos que chegavam a concorrer com outras formas de organização na cidade. Responsáveis pela primeira geração de sambistas que nascia carioca, elas eram as chefas de famílias extensas Muitos de nós já ouvimos falar ou até mesmo conhecemos, Donga, João da Baiana, Pixinguinha, mas não sabemos que todos são filhos das chamadas tias do samba. Tia Amélia do Aragão, Tia Perciliana de Iansã e Tia Raymunda   respectivamente foram as matriarcas dos quintais onde eles se lançaram para o samba. Costumo dizer que elas prepararam o quintal para esta primeira geração e mesmo num ambiente hostil onde o samba era criminalizado, “duramente perseguido”, essas mulheres tinham um jogo de negociação com as esferas pública que acabavam respeitando e reconhecendo nelas um outro tipo de autoridade.

Angelica Ferrarez é apresentadora da webserie Rodadas e historiadora

Tia Amélia do Aragão, que ganhou o Aragão no nome porque morava na rua do Aragão era cantadora de modinha. Tia Bebiana e Tia Perciliana, eram rezadeiras e unidas a Tia Ciata e Tia Carmem do Xibuca pertenciam ao terreiro de João Alabá. Havia a grande quituteira, Tia Veridiana e também Tia Sadata da Pedra do Sal, que foi fundadora junto a outros do Rei de Ouro, rancho carnavalesco da época.

Saindo do eixo das baianas a experiência das tias ganhou os subúrbios, com Tia Eulália, mineira que chega a comunidade da Serrinha em Madureira por volta da década de 30. Outra que chega a mesma época é Vó Maria do Jongo. Com esta historicidade Madureira também entra fortemente no circuito das artes negra da cidade, vindo abrigar as escolas de samba Império Serrano, de 1947 e a Portela de 1923.

A fundação das escolas de samba também estão ligadas as tias do samba. O Império Serrano foi fundado por iniciativa de trabalhadores da estiva, Mano Décio, Mano Elói e Mestre Fuleiro, dentre outros, que se reuniam na casa de Tia Eulália. Outro episódio foi a fundação da Portela, escola de samba em 1923, também no bairro de Madureira. Impulsionada pelo empenho das mães de santo conhecidas no local, foi na casa de tia Ester que era líder do “Quem fala de nós come mosca”, bloco tradicional que circulava pelos subúrbios e que tinha como integrantes do bloco os futuros fundadores da Portela, como Paulo da Portela, que ao rachar com este bloco, cria o “Baianinhas de Oswaldo Cruz” em 1922, passo mais próximo para o que seria a Portela, em 1923.

Havia também a Tia Neném, sambista do morro do Salgueiro, nascida ali em 1921. A tia Zezé, nascida em Três Rios em 1923, componente importante da Unidos da Tijuca e tantas outras tias provenientes de vários lugares e contribuindo com esta tradição em vários espaços e tempo. Podemos dizer que cada região de uma escola de samba tem como matriarcas das mesmas as tias fundadoras.

Sendo assim foi ganhando contornos nas ruas do Rio, mesmo de forma subalternizada, a formação de uma cultura popular baseada na tradição das tias que seria de extrema importância daquilo que seria o Rio de Janeiro e sua modernidade e da formação da família negra brasileira. Elas que mesmo com a ação do tempo e espaço partilham ainda hoje de um espaço privilegiado no reduto do samba, nas memórias afetivas de sua família, criando estilos de vida, festejando, sonhando e inspirando toda uma nova geração.

Minibio
Angélica Ferrarez é mãe da Ynaê e mulher negra no mundo. Apresentadora da webserie Rodadas, Historiadora, Professora e Doutoranda estudando a história e memória do samba carioca. 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: